Uma pequena pausa na lua de mel para ver o Fluzão ganhar…

Amigos Tricolores, hoje o Fluminense encerra a participação no primeiro turno do Brasileirão, e eu escrevo mais uma história lembrando jogos marcantes contra o adversário do dia. Em todas as rodadas lembrei um jogo emblemático, exceção para o clássico contra o Vasco, quando o site esteve fora do ar e não publiquei.

No segundo turno prometo uma historinha no dia do jogo contra o Vasco, que fiquei devendo, e episodicamente posso lembrar mais um ou outro jogo contra o adversário da vez, mas nunca repetindo um jogo.

Lembrar de um Ponte Preta x Fluminense marcante me vem imediatamente um jogo ao qual não pude comparecer por motivos nobres, mas mesmo à distância consegui acompanhar e não consegui esquecer.

Foi nos idos de 2001, mais exatamente no dia 5 de dezembro. Maracanã, quartas-de-finais do Brasileirão em jogo único, e 48.203 pessoas estiveram presentes.

Eu me casara dia 1º de dezembro, no sábado anterior, e estava numa pousada de uma praia bonita em Imbituba, a Praia do Rosa, Santa Catarina, curtindo lua de mel.

Sol forte, praia paradisíaca, mas à noite dei aquela ligadinha na Globo, e o jogo passaria direto.

Jogo difícil, a Ponte Preta tinha um time enjoado.

Logo aos 16 minutos, porém, Caio abriu o placar para o Fluminense da entrada da pequena área, aproveitando rebote da defesa. Sim, ele, o Caio, que hoje é comentarista do Sportv e ainda no outro dia sugeriu que o São Paulo tirasse o Abel do Fluminense, quando o Rogério Ceni foi demitido. Feio, hein, Caio?

Bem, o jogo foi seguindo complicado, chances lá e cá, Washington antes de ser o Coração Valente jogando muito no ataque da macaca. E foi com passe dele que, aos 33 do segundo tempo, Humberto empatou, levando o jogo para a prorrogação.

Bastaria o Fluminense empatar a prorrogação, pois tinha a melhor campanha. Mas logo no primeiro minuto o interminável Magno Alves fez o segundo, aproveitando cruzamento de Paulo César em cobrança de falta.

Pouco depois Macedo empatou, aos 8, devolvendo a tensão ao estádio.

Foi aos 7 do segundo tempo, porém, que novamente Magno Alves resolveu a partida. Lançado por Roni e entrando sozinho pelo campo adversário, mas sem estar impedido, Magno Alves entrou na área adversária e deslocou o goleiro, para delírio da galera tricolor.

O Fluminense formou com Murilo, Flávio, André Luís, Régis e Paulo César; Marcão, Sidney (Jorginho), Fernando Diniz e Roger; Caio (Magno Alves) e Alex Fidelinho (Roni). Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Obrigado, Magnata… Desliguei a televisão feliz ao final do jogo e segui firme e forte sem abalos psicológicos na minha bem-sucedida lua de mel.

No domingo veio a semifinal, contra o Atlético paranaense, jogo único em Curitiba, e aí infelizmente o Fluminense perdeu, por 3 a 2.

E que hoje encontremos uma bela vitória! Que o Fluminense esteja com a macaca, e que consiga atravessar a Ponte.

Porque O IMPORTANTE É O SEGUINTE: SÓ DÁ NENSE!!! 

Por PAULONENSE / Explosão Tricolor

Magno Alves fez dois e acabou com o jogo.