Acorda, Roger Machado!




Kayky e Martinelli (FOTO: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.)



A atuação do Fluminense diante do Macaé pode ser resumida em apenas uma palavra: preocupante. Pois é, o Tricolor goleou, mas não convenceu. É fato que vencer sempre é bom. Porém, não dá para tapar o sol com a peneira. A atuação coletiva da equipe comandada pelo técnico Roger Machado deixou muito a desejar. Até acredito que a parte física ainda não esteja no ponto. No entanto, nada justifica uma atuação tão ruim.

Menos mal que a dupla Martinelli e Kayky jogou muita bola no Raulino de Oliveira. O primeiro, em especial na segunda etapa, foi o cérebro do meio de campo e ainda marcou bastante. Já o segundo mostrou muita habilidade. objetividade e fez um belo gol.

A sorte do Fluminense foi a de que a partida era contra o lanterna do Campeonato Carioca. Sendo assim, não havia necessidade de gastar a bola. Porém, o Macaé ficou muito próximo de empatar no início do segundo tempo. Ainda bem que o time achou os gols necessários para golear e, consequentemente, cumprir com a sua obrigação. Contudo, faltando apenas duas semanas para a estreia na Copa Libertadores, é impossível não estar preocupado com a participação do Fluminense na competição continental.

O time ainda carece de um lateral-esquerdo, um meia de criação e um atacante efetivo que atue pelo lado esquerdo. Em termos táticos, o Fluminense segue com um espaço entre as suas linhas. O meio de campo, por exemplo, não está nada bom. Yago Felipe segue longe da boa performance apresentada na reta final do Brasileirão. Já o Nenê não é o camisa dez que o time tanto precisa. Não à toa, a responsabilidade de sair algo lúcido no setor recai no sobrecarregado Martinelli. Nessas horas é impossível não pensar na entrada até do Wellington para dar liberdade ao próprio Martinelli, que possui capacidade técnica para encostar bem no ataque e pisar na área adversária.

Já no ataque, Luiz Henrique vem decepcionando. Pode até parecer arriscado, mas acredito que seja a hora de efetivar o Gabriel Teixeira para atuar pelo lado esquerdo do ataque. Com ele de um lado e Kayky do outro, há uma chance de o Fluminense ganhar intensidade e muita habilidade pelas beiradas.

Com a diretoria gastando o pouco que tem com jogadores de qualidade bastante duvidosa, o caminho mais justo é o de bancar a molecada de Xerém. É claro que alguns dos garotos podem sentir o peso da responsabilidade, mas é o que o Tricolor tem de melhor para tentar fazer bonito na temporada. Acorda, Roger Machado!

Curtinhas

– Jean Pyerre e Willian Bigode são bons nomes para o Fluminense insistir até o último minuto dos acréscimos.

– A zaga com Nino e Luccas Claro é outro patamar.

– Gostaria de ver o Jefté tendo uma oportunidade na lateral-esquerda. O Fluminense tem o Nova Iguaçu e Botafogo antes da estreia na Libertadores, ou seja, ainda dá para testá-lo.

Forte abraço e ST!

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE