Bola dentro, presidente! Mas tome cuidado…




A torcida terá que jogar junto com o Fluminense (Foto: Vinicius Viana / Explosão Tricolor)
A torcida terá que jogar junto com o Fluminense (Foto: Vinicius Viana / Explosão Tricolor)

Ainda estou curtindo a Serra Gaúcha, mas sempre de olho no Fluminense. Não tem jeito, está no sangue, está na veia, está na alma… O torcedor do Fluminense tem a mania de dizer que é “Tricolor até morrer!”. No meu caso, “Sou Tricolor até no outro lado da vida”.

Acabei de acessar o site e li que o presidente Peter Siemsen abriu mão da proposta de vender o mando do jogo contra um dos dois times do sistema dominante do país. Só tenho a dizer uma coisa: parabéns, presidente!

A proposta era boa, mas um clássico deste porte tem que ser disputado no Maracanã. Qualquer torcedor com a essência da arquibancada tricolor na alma, sabe disso.

Tenho a total consciência dos problemas financeiros do clube, mas se a Diretoria tem a meta de tentar alavancar o número de sócios, ela não pode criar uma distância entre o Fluminense e a maior fatia do seu público alvo, que reside no Rio de Janeiro. Está na hora de ousar e apostar na força da torcida. Mas é necessário fazer com que o fraquíssimo Departamento de Marketing funcione de verdade. 

Os elogios estão aí. Foi como eu sempre disse: elogio quando tem que ser elogiado e critico quando tem que ser criticado. Criticar não significa torcer contra. Alguns tricolores estão com essa paranoia na cabeça e isso me preocupa muito, pois a maioria não apresenta um argumento para contrapor e iniciar um saudável debate. 

Apesar da bola dentro do presidente, não posso deixar de registrar um recado: “Presidente, tome cuidado com algumas pessoas do grupo político que lhe dá base de sustentação”. Estou dizendo isso por causa do terrível vazamento da informação do valor oferecido ao Fluminense para que o jogo contra o Corinthians fosse disputado em Brasília.

Uma negociação deste porte não pode vazar nas redes sociais para o mundo inteiro ver. Neste caso, vazou no blog do site do grupo político que manda no atual Fluminense. Ato totalmente irresponsável, pois deu margem para vários tipos de especulações e muitas confusões entre os torcedores. Além disso tudo, fomos obrigados a ler um discurso de apequenamento do Fluminense. Jamais esquecerei deste patético discurso de derrota antecipada, que teve o seguinte deprimente trecho: “… num jogo onde a obrigação de vitória não é tão forte quanto num jogo contra uma equipe menor.”

Uma coisa é usar o argumento das necessidades financeiras do clube, isso eu não discuto, mas duvidar da força da camisa do Fluminense para superar o Corinthians no Maracanã, é algo que não consigo aceitar. E outra: o autor deste discurso disse que quem era contra a venda, estava analisando com base na emoção. Pois é, talvez ele não tenha se tocado que a falta de emoção tem sido algo muito comum no Fluminense. Só um aviso: emoção no futebol gera dinheiro. Basta ter visão e, principalmente, conhecer a torcida para fazer com ela gere recursos financeiros ao clube. 

O Fluminense pode estar enfraquecido em todos os sentidos, mas sempre será o Fluminense Football Club. E isso já diz tudo. Quem pensar diferente disso, não deve nem respirar o ar do bairro das Laranjeiras. 

Para encerrar: independentemente do resultado contra o Atlético/MG, no próximo domingo, o torcedor tricolor tem a obrigação de comparecer em peso no duelo contra o Corinthians. O Fluminense precisa da nossa força e a arquibancada do Maraca terá que tremer, no próximo dia 24, às 16 horas. Se der menos de 50 mil, serei obrigado a concordar com futuras vendas de mandos para outros estados.

Já passou da hora da torcida assumir o clube. O primeiro passo é na arquibancada. O segundo é dentro do clube. Os fortes entenderão… Novos tempos surgirão nas Laranjeiras. Quem viver verá… 

Saudações Tricolores!

Vinicius Toledo / Explosão Tricolor

PUBLICIDADE