Como será o amanhã?




Foto: Fluminense / Divulgação



Diante do Goiás, o Fluminense iniciará sua caminhada no Campeonato Brasileiro 2019. Primeira de 38 decisões. Portanto, é vencer ou vencer. E essa obrigação de vitória aumenta ainda mais quando se tem uma ingrata tabela. Para quem ainda não se atentou a esse detalhe, segue abaixo a sequência de jogos do Tricolor no Brasileirão antes da paralisação para a realização da Copa América:

  • 1ª rodada (28/4) – 19h – Fluminense x Goiás – Maracanã
  • 2ª rodada (2/5) – 19h15 – Santos x Fluminense – Vila Belmiro
  • 3ª rodada (5/5) – 19h – Grêmio x Fluminense – Arena do Grêmio
  • 4ª rodada (11/5) – 16h – Fluminense x Botafogo – Maracanã
  • 5ª rodada (18/5) – 16h – Fluminense x Cruzeiro – A definir
  • 6ª rodada (26/5) – 19h – Bahia x Fluminense – A definir
  • 7ª rodada (2 /6) – 16h – Athlético-PR x Fluminense – Arena da Baixada
  • 8ª rodada (8/6) – 19h – Fluminense x Flamengo – A definir
  • 9ª rodada (13/6) – 21h – Chapecoense x Fluminense – Arena Condá

Vale ressaltar outra situação importantíssima: os jogos das oitavas de final da Copa do Brasil e segunda fase da Copa Sul-Americana devem ser disputados entre os dias 15 de maio e 5 de junho. Ou seja, o Fluminense deve ter uma sequência de 10 jogos em 29 dias. Seguem as datas dos confrontos das duas competições:

COPA DO BRASIL

Jogo de ida → 15 de maio, 22 de maio ou 29 maio

Jogo de volta → 22 de maio, 29 maio ou 05 junho

COPA SUL-AMERICANA

Jogos de ida → 21, 22 ou 23 de maio

Jogos de volta → 28, 29 ou 30 de maio

Diante do cenário geral exposto acima, é impossível o torcedor tricolor não ficar preocupado com relação ao futuro do Fluminense na temporada. O cenário se torna ainda mais preocupante com o início do processo eleitoral, que, diga-se de passagem, ainda está muito tímido, mas que tem tudo para pegar fogo nas próximas semanas. O clube necessita de algumas soluções imediatas, no entanto, ainda não apareceu ninguém para dizer que já tem algo concreto para devolver ao Fluminense o direito de sobreviver com dignidade. 

Voltando a falar sobre futebol, vejo o Fluminense com um time razoável, mas que dependerá bastante de um possível ressurgimento do Paulo Henrique Ganso e dos gols do Pedro. No entanto, vale lembrar que ainda teremos a abertura da janela de transferências internacionais. Ou seja, a possibilidade do nosso craque da camisa nove sair já no meio do ano é real.

Com relação ao elenco, o Fluminense tem sérias carências já escancaradas pelo próprio Fernando Diniz. A situação na lateral-esquerda é um grande exemplo. Isso para não falar no setor de criação de meio-campo. De imediato, o elenco precisa de um goleiro, lateral-esquerdo e meia de criação.

Sobre o Fernando Diniz, confesso que o trabalho dele me agrada. As condições do atual Fluminense são bem adversas, mas ainda assim, ele conseguiu dar uma identidade ao time, algo que não ocorria há anos. É claro que ele necessita apresentar variações táticas e soluções para não virar presa fácil na marcação alta dos adversários. Outra situação que o Diniz precisa rever é a de escalar Airton e Bruno Silva juntos. Não dá. O time precisa ter uma transição de jogo acelerada. Ouso a dizer que o trio de meio-campo deveria ser formado com o Caio Henrique na cabeça de área, Allan e Paulo Henrique Ganso. Espero que o Diniz consiga realizar os ajustes táticos necessários e escale os melhores.

Para encerrar, não poderia deixar de falar da torcida. O torcedor tricolor tem que abraçar o Fluminense em todos os sentidos. Amanhã, contra o Goiás, será uma excelente oportunidade para mostrar que a chama verde, branca e grená ainda está acesa e que o pulso ainda pulsa.

Forte abraço e Saudações Tricolores!

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE