Coragem, alegria e disposição




Wellington Silva (FOTO DE MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC)



Que baile no Maraca! Com o chicote na mão, o Fluminense simplesmente deitou e rolou. O Botafogo até tentou endurecer nos primeiros minutos, mas depois que a rapaziada tricolor resolveu entrar no jogo… Pois é, os alvinegros não viram mais a cor da bola. Do camarote do estádio, o japonês Honda chegou até a ficar com os olhos arregalados!

Pelo lado direito, Gilberto e Wellington Silva destruíram o lado esquerdo adversário. E no lado esquerdo não foi diferente, pois Egídio e Marcos Paulo também gastaram a redonda. E aí, galera, ficou muito fácil, chegou a ser até constrangedor.

Não à toa, o Nenê tratou logo de marcar dois belíssimos gols. E o veterano da camisa 77 ainda ajudou na recomposição. Quem também arrebentou foi o Wellington Silva. Atuação monstra do garoto de Xerém, que não vestia a camisa do Fluminense desde 2017. A marcação adversária sofreu muito com ele. E como!

O placar de 3 a 0 ficou barato. Se a rapaziada tivesse um pouco mais de frieza, não tenho dúvida alguma em afirmar que poderia ter sido de 6 ou até 7 a 0. O Fluminense passou por cima de forma avassaladora.

Sim, o time alvinegro é muito fraco e não pode servir de parâmetro para nada. Porém, isso não significa que a atuação tricolor não possa ser exaltada. Deixando a questão técnica de lado, o futebol moderno ainda não destruiu as rivalidades. Sendo assim, a zoação está liberada nesta segunda. O problema é achar torcedor deles…

Agora, a parada não será nada fácil. Apesar da vantagem do empate, o favoritismo está lá no outro lado. O Flamengo é imbatível? Claro que não, mas é muito forte. Não é missão impossível para o Fluminense, entretanto, não dá para entrar em campo com uma postura mais conservadora. Sendo assim, o que o torcedor tricolor espera de verdade é que a comissão técnica e o time tenham coragem, alegria e disposição para lutar até o fim na próxima quarta. Espero que a torcida compre o barulho!

Curtinhas

– Não gostei muito do início de jogo da dupla Digão e Luccas Claro. Passaram insegurança e tiveram dificuldades na saída de bola. O não aproveitamento do Matheus Ferraz é pra lá de questionável…

– Em alguns momentos da partida, o Fluminense cedeu espaço para o Botafogo contra-atacar com perigo. Não sei se isso foi consequência da vantagem construída no primeiro tempo ou se deram mole mesmo, mas de uma coisa eu tenho certeza: contra o Flamengo não dá para dar esses espaços.

– Paulo Henrique Ganso entrou na reta final da partida, mas foi o suficiente para distribuir excelentes passes.

– Nenê ou Ganso? Futebol é momento. Sendo assim, Nenê deve permanecer no time. Porém, vejo o Ganso como o dono da posição, mas como está voltando agora, é melhor entrar aos poucos até se sentir bem à vontade.

Forte abraço e ST!

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE