DENTRO DE CAMPO




ANALISEO Fluminense encara amanhã, (01/03), às 18:30, o Resende. E o treinador Cristóvão Borges praticamente definiu a escalação, em um esquema 4-2-3-1:

Vamos lá.

Diego Cavalieri: Indiscutível no gol, o paredão tricolor vive uma boa fase. De bem com a torcida e com o futebol, Cavalieri tem passado uma certa segurança.

Wellington Silva: Vem muito bem, ofensivamente, no campeonato. Tem aparecido bastante no apoio e vem realizando muitas jogadas. Porém, defensivamente ainda deixa um pouco a desejar.

Giovanni: Apesar de muito criticado, vejo qualidade. É o jogador que mais desarmou no campeonato e ataca com certa regularidade. Questão de tempo para despontar.

Henrique: Pesado. Lento. Minha principal preocupação na equipe tem nome: Henrique.

Victor Oliveira: Garoto novo, recém chegado. Não tem feito boas partidas, mas peço um pouco de paciência.

Jean: Com a formação da próxima partida, terá que ser ONIPRESENTE. Vem muito bem ao lado do Édson.

Gérson: FORA DE POSIÇÃO. Meia de criação de origem, foi escalado como primeiro volante para a partida e espero que, pelo talento, supere as adversidades. Caso não vá bem, peço-lhes paciência.

Vinicius: Homem de criação do time. Vinha muito bem, mas contra o Vasco, a camisa pesou. Porém, mostrou personalidade durante a semana e acredito num bom jogo.

Kenedy: Promessa. Fez um bom sul-americano sub 20, mas não tem entrado bem. Veloz e forte fisicamente tem tudo pra fazer um inferno pelo lado direito de ataque.

Wagner:  Jogador de peso no meio campo, e fez muita falta nesse período lesionado. Jogando um pouco a frente do meia de criação, como homem que dá o último passe ou finaliza uma jogada. Vinha muito bem antes de se lesionar.

Fred: Homem Gol. Se chegar ele guarda. Mas tem que chegar. Aliás, o Fred tem se movimentado pouco. Caso se movimente mais, chegará mais.

Cristóvão Borges:  Balançando no comando, o treinador optou por uma formação mais ousada e improvisando o garoto Gérson. Espero de coração que dê certo e que caso não dê não comece a queimar o moleque. Precisa de uma sequência de vitórias pra se reafirmar como treinador e renovar a confiança da equipe.

Eduardo Mury

PUBLICIDADE