Do que somos capazes? 






Trabalho do Abelão tem demonstrado os seus frutos

Terminamos a rodada em segundo lugar, com uma vitória importante sobre uma antiga pedra no sapato.

A maldição verde foi quebrada. Já era hora!

Agora vem uma sequência pesada de jogos pela frente, serão quatro jogos fora de casa (um deles, o FlaxFlu, graças à venda de mando). O que podemos esperar desse time?

Uma das coisas que esse time vai nos entregar é luta, isso já ficou bem claro.

Eu prefiro um milhão de vezes um time sem craque, mas aplicado dentro de campo, do que um time com estrelas apáticas. Vocês lembram da nossa campanha em 2013? Pois é… aquele elenco era caro, com jogadores muito bons, e deu no que deu…

Essa equipe do Flu, que na minha opinião encontrou o seu padrão tático, enfim pode ser chamada de consistente.

As derrotas que tivemos no campeonato foram vendidas a preço de ouro. Em nenhuma das duas situações merecíamos sair com a derrota. Contra o menor do Rio, inclusive, merecíamos a vitória.

E, por falar nisso, na coletiva depois do jogo, o Abelão falou que tivemos sorte pra vencer o jogo, pois fizemos um jogo abaixo da média.

Pode até ser, mas se tem uma verdade no futebol é o fato de que a sorte costuma ajudar times que estão preparados.

E eu explico o porquê: time bem montado pode até estar em um dia ruim, mas se sobrar uma bola, em um lance fortuito, o centroavante vai estar lá no lugar certo pra guardar no fundo da rede. Mas o centroavante não estará bem posicionado à toa, ele treinou esperando isso.

É aquele papo de que a sorte ajuda quem muito trabalha. E o trabalho do nosso treinador tem demonstrado os seus frutos.

O campeonato ainda está muito longe do fim e ainda não vencemos nada. Precisaremos nos provar mais ainda, rodada após rodada.

O nosso trabalho não será fácil. Tem pelo menos um punhado de times com investimento muito superior ao nosso.

Mas, como eu disse antes, só ter jogador de quilate não resolve nada. É preciso ter brio, é preciso ter vontade, e isso não tem faltado ao Time de Guerreiros.

Chegar à parada pra Copa brigando lá em cima é muito importante pra nós. Se fizermos isso, teremos boas chances de manter o embalo, até porque a segunda metade do turno pode ser menos casca grossa pra gente.

Se conseguirmos chegar até lá na primeira posição, melhor ainda, a moral dos caras e da torcida vai lá pro alto. A gente precisa comprar o barulho nas arquibancadas e meter pelo menos 30 mil por jogo. Sem a torcida jogando junto fica mais difícil.

Depois dessa sequência dura que temos pela frente vamos enfim poder cravar do que somos capazes.

Se nos sairmos bem, sinal de que a briga vai ser lá em cima. Contra tudo e contra todos, contrariando tudo que se disse sobre o Fluminense nesse início de ano.

Mas ser Fluminense é isso, é lutar contra o improvável, é dar risada da cara dos números.

Ser Fluminense é contrariar a lógica e fazer das três cores o seu escudo e a sua espada.

No mais, VENCE O FLUMINENSE!!!

Pitacos do Toni:

– Esse nosso centroavante hein… Sempre torci muito e defendi ele aqui nesse espaço. Só tem evoluído, o que ele precisava mesmo era de tempo de jogo.

– Sornoza, Jadson, Marcos Jr e Gilberto triangulando. Pedro saindo da área pra servir os companheiros… o time tem funcionado muito bem nas investidas, tá dando gosto de ver.

– Me parece que finalmente temos umas boas opções pra zaga. Ibanez é o único indiscutível do setor. O Gum também não sai pela liderança que exerce dentro e fora de campo. Renato Chaves, em que pese ser meio atabalhoado, às vezes faz partidas como aquela em Potosí, cortando tudo. Nathan e Luan chegaram com bom nível de jogo. Fico mais tranquilo com este setor.

– Sornoza tá merecendo o gol dele. Em alguns lances parece que falta um pouquinho de calma pro equatoriano. Tenho certeza que esse gol virá em boa hora, pra nos tirar do aperto.

Toni Moraes



Siga-nos no Twitter e curta nossa página no Facebook

INSCREVA-SE no nosso canal do YouTube e acompanhe os nossos programas!

Entre em contato através do e-mail: explosao.tricolor@gmail.com 

PUBLICIDADE