Jogo a jogo, ou seja, muita calma nessa hora




Foto: Lucas Merçon/FFC



Mais do que nunca, o Marcão terá que ter lucidez, coragem para mudar e, principalmente, estratégia. Milagre não dá para fazer, mas minimizar riscos tornou-se uma obrigação estratégica após a terrível lesão do Muriel.

A manutenção do Gilberto na lateral-direita, por exemplo, é uma decisão pra lá de equivocada. Além de errar quase todos os cruzamentos e passes, ele é uma “avenida de acesso” para os adversários fazerem a festa. Muitos dos gols sofridos na temporada surgiram nas costas do camisa dois. Igor Julião está longe de ser solução, mas acredito que ele consiga, no mínimo, reduzir essa “avenida” pela metade. A improvisação do Pablo Dyego também é uma tentativa válida.

Com exceção do Gilberto, o restante do sistema defensivo está bem encaixado desde o jogo contra o Vasco. Definitivamente, a entrada do Yuri deixou a zaga bem protegida. Sendo assim, Nino e Digão ficaram menos expostos e, consequentemente, o Fluminense foi pouco incomodado nos últimos jogos. Nem na derrota para o Internacional a equipe foi tão ameaçada.

Sobre a vaga do Muriel, a situação ficou bem crítica. De um lado, Agenor, que acumulou algumas falhas, mas que, queiram ou não, é mais rodado. Do outro lado, Marcos Felipe, que sequer vinha sendo relacionado e não atua desde o início de 2018. E aí? Eu apostaria no Marcos Felipe, mas admito que compreenderei se o Marcão escolher o Agenor. O jeito é apoiar a escolha e rezar muito para “São Castilho”.

Faltando apenas seis jogos, o povo anda se matando com simulações e chances matemáticas. Com toda sinceridade, acho uma baita perda de tempo. O histórico das últimas rodadas aponta que é jogo a jogo, ou seja, cada rodada é uma história diferente. No momento, o Fluminense está na zona de rebaixamento, mas, recentemente, Botafogo, Cruzeiro e Ceará também bateram ponto no Z-4. Portanto, muita calma nessa hora!  

Para encerrar por hoje, já pensando no confronto contra o Atlético-MG, a certeza é uma só: o Fluminense tem que vencer no próximo sábado. Com Marcos Felipe ou Agenor, o time tem que se impor, comer grama e lutar até o fim. Isso é o mínimo que a torcida espera.

Forte abraço e ST!

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE