JOGOS MEMORÁVEIS – Fluminense 2×1 Cerro: Da preocupação ao êxtase!




Bem amigos do Explosão (rs), é do conhecimento de todos a série “Jogos Memoráveis” e chegou a minha vez.

O meu jogo inesquecível é um tanto incomum. Temos diversas batalhas épicas nesta última década e raramente alguém cita este como ”O JOGO”.

Meu jogo inesquecível é no ano de 2009, ano de fortes emoções. Meu jogo inesquecível é: Fluminense 2 x 1 Cerro Porteño.

O momento era complicado. Por um lado a preocupação com o Brasileirão, onde todos diziam que eu era maluco por acreditar que não cairíamos, e do outro, a euforia com o possível título da Sulamericana.

Tudo começou na rampa do antigo Maracanã, ah, o antigo Maraca era sensacional. Fiquei de fora das finais de 2008, estava mais certo do que nunca de que o ano era nosso. Ao entrar no estádio e ler numa faixa, a frase: “Eles têm pedras, vocês têm a gente” fui tomado por uma emoção incontrolável.

Começou a partida, começou o show nas arquibancadas. Seguramente, afirmo que foi um jogo completo. Tive todos os tipos de emoções.

Fluminense sofreu o 1 a 0, e eu, acima da torcida adversária, ouvia os xingamentos e provocações.

Mas o Fluminense não me permitiria sair dali triste, derrotado. Eu tinha certeza.

Tomado por força sobrenatural, a torcida vibrava e empurrava. Parecia não se importar com o placar desfavorável. Era o Fluminense que estava ali e por amor a ele todos cantavam.

O Fluminense empatou em um gol do GUM. Sentir as arquibancadas tremerem era algo inexplicável, algo bem próximo do êxtase.

Os adversários se calaram, pois viam uma torcida apaixonada e o (verdadeiro) time de guerreiros.

O empate classificava o Fluminense e se assim terminasse, todos ali presentes sairiam satisfeitos, mas não. A felicidade está além da satisfação.

O Fluminense me surpreendeu, e Alan, nos acréscimos, arrancou e fez o gol da virada. O que aconteceu no Maracanã? A VERDADEIRA EXPLOSÃO TRICOLOR!

Aconteceu a confusão generalizada dentro do gramado, mas nada disso mais me importava. No auge dos meus 12 anos, eu só sabia comemorar, só sabia externar o amor que sinto pelo Fluminense. Retornava para casa num misto de paixão latente com êxtase. Me recordo detalhes do jogo, mas não me lembro do caminho de volta. Tudo que sabia era comemorar.

Portanto, meus amigos, gostaria de convidá-los a recuperar nosso título de “MELHOR E MAIS BONITA”. Que voltemos a vibrar e amar intensamente o Fluminense e externar no estádio com toda a garra e alegria próprias da torcida do único Tricolor do mundo.

Por Eduardo Mury

PUBLICIDADE