Mais dois treinos e o time chega lá? 




Roger Machado (Foto: Mailson Santana / Fluminense F.C.)

Clássico é clássico, a redundante sabedoria popular afirma. O clássico vovô do Cariocão 2021, amigos, esteve longe de ser um clássico. Um clássico é cercado de expectativas, lembranças nostálgicas, debates de véspera e brincadeiras entre os torcedores rivais. O jogo entre Fluminense e Botafogo, o clássico mais antigo do Brasil, foi nostálgico pela tristeza, pela fadiga do olhar e pela desmotivação geral da véspera. O Torcedor Tricolor estava com a cabeça na Libertadores da América; o alvinegro… nem saberia dizer!

A verdade, amigo leitor, é que a partida serviu apenas de ‘’treino de luxo’’, de ‘’preparação’’ para a estreia do Flu na competição mais badalada da América do Sul. E o que vimos? Muitos testes, um time sem o mínimo padrão tático e nenhuma proposta de jogo definida. Excetuando a bola parada, o Time de Guerreiros não apresentou uma única, mísera e escassa jogada. É preocupante, pois, o Pó de Arroz precisava evoluir, apresentar algum nível de desenvolvimento de jogo. Não há mais tempo para testes, o comandante Tricolor tem mais dois treinos para acertar a mão!

O treinador Roger Machado já deveria ter definido o time, ajustado as peças e estabelecido uma cara para o escrete. Além do péssimo desempenho coletivo, alguns jogadores deixaram a desejar na parte individual. Nenê, por exemplo, vem jogando muito mal. É importante nas bolas paradas, mas, no conjunto, seu desempenho está abaixo do necessário. Jogando centralizado, aberto pela direita ou pela esquerda, o veterano não vem realizando um bom futebol. Nenê não foi o único. Excetuando a dupla de zaga e o pouco exigido Marcos Felipe, todos estiveram abaixo da média. O jogo valeu pelo resultado: mantivemos a invencibilidade contra a equipe de General Severiano!

E o que resta do Verde da Esperança? Sabemos que desde o ano passado, o Nense apresenta dificuldades contra equipes fechadas, mais defensivas. Foi o caso do jogo entre Flu e Fogo. Contra adversários mais ‘’agressivos’’, que jogam mais francamente, o Fluminense costuma jogar suas melhores partidas. No ano passado, fizemos bons jogos contra Atlético-MG e Flamengo, adversários que jogam ofensivamente. O River, pelo instinto e feição, não vai jogar recuado e, historicamente, o Amado Clube de Laranjeiras costuma crescer nos grandes jogos. O Sangue do Encarnado precisa ferver!

O lado torcedor acredita na mística do Tricolor e no Verde da Esperança: não obstante o futebol apresentado até aqui, desacreditado e considerado ‘’azarão da Libertadores’’ pelos analistas da grande mídia, acredito na vitória do Fluminense contra o River, amigo leitor! Um palpite? 2 a 1 para o Fluzão! O Sangue do Encarnado vai ferver!

Teixeira Mendes

PUBLICIDADE