O mais difícil dos desafios




Marcão (Foto: Lucas Merçon / Fluminense F.C.)

Não sobrou pedra sobre pedra. Pois é, essa é a sensação que ficou em relação aos seis meses de trabalho do Roger Machado à frente do comando técnico do Fluminense. Porém, ele já é página virada. Tudo bem que a decisão foi tardia, mas agora é olhar pra frente e torcer por dias melhores.

Pelo terceiro ano consecutivo, a diretoria colocou a responsabilidade nas mãos do Marcão. Em termos de aproveitamento, o ex-camisa cinco tricolor mandou muito bem nos dois trabalhos anteriores, No entanto, acredito que a missão atual seja mais complicada, pois terá que começar o trabalho praticamente do zero sob o ponto de vista tático.

Infelizmente, o Roger Machado não deixou um legado positivo. As falhas de posicionamento da defesa e de marcação são duas grandes provas de como o trabalho foi danoso. Isso para não falar do enfraquecimento da jogada de bola parada, engessamento ofensivo, etc…

Em 2019, Marcão soube explorar a parte positiva do trabalho do Fernando Diniz, mas com alguns bons ajustes, em especial, na parte defensiva. Deu certo. Já no período de 2020 para 2021, o início foi mais problemático por conta dos veteranos. O Fluminense precisou levar uma goleada do Corinthians para que as mudanças necessárias fossem realizadas. Resultado: deu muito certo. Vaga na Libertadores com o time jogando um bom futebol.

O atual desafio é grande, mas acredito que o Marcão saberá conduzir. Apoio não faltará, pois é homem de confiança da diretoria, muito querido pelos jogadores e respeitado por boa parte da torcida.

Da minha parte, posso dizer que não espero milagres, inclusive, os dois próximos jogos contra o Atlético-MG serão muito complicados. Porém, acredito que se o Marcão fizer o básico, que é o de respeitar as características dos jogadores e, consequentemente, saber explorá-las da melhor forma possível, a coisa andará.

Considerando o perfil do Marcão, acho que o time valorizará a posse de bola. No início, a lentidão na troca de passes certamente irritará muitos torcedores, na verdade, isso será algo mais do que normal, pois não será de um dia para o outro, que a rapaziada “desenferrujará”. Com o Roger, a equipe perdeu o jeito de saber o que fazer com a bola, em especial, no último terço de campo.

Agora é torcer para dar certo. Em termos de metas esportivas, a missão na Copa do Brasil é muito complicada. Sendo bem sincero, o foco principal tem que ser o de buscar uma rápida recuperação no Campeonato Brasileiro para se distanciar de vez da zona de rebaixamento e, posteriormente, buscar uma vaga na próxima Libertadores. Ainda tem tempo de sobra para correr atrás do prejuízo.

Observações:

– O valor da multa rescisória do Roger Machado ainda é um mistério. O presidente Mário Bittencourt, que fala tanto sobre a importância da transparência, deve essa satisfação ao torcedor já que foi o responsável pela assinatura de dois anos de contrato.

– Marcos Felipe; Samuel Xavier, Nino, Luccas Claro e Egídio; André, Martinelli e Yago Felipe; Arias, Caio Paulista e Fred. Essa seria a minha escalação ideal. Deixe a sua no campo de comentários!

– A situação na lateral-esquerda segue muito ruim. Não sei como o Jefté e Marlon estão se comportando nos treinos, porém, acredito que deveria ser realizado um trabalho em cima do primeiro já visando a próxima temporada. Uma ou outra oportunidade durante alguns jogos pode ser um caminho para o amadurecimento do jovem jogador.

– Espero que o meia Wallace ganhe oportunidade com o Marcão. Esse moleque é bola!

– Neste domingo, às 18h15 (de Brasília), eu e o Vitor Costa realizaremos a resenha pré-jogo com todas as informações sobre Fluminense x Atlético-MG e as últimas notícias do Tricolor. Também destinaremos os 40 minutos finais para responder as perguntas do chat da live. O programa terá transmissão ao vivo em nosso canal no YouTube!

– Siga-me no Twitter através do perfil @ViniFLU18 (clique aqui)

Forte abraços e ST

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE