Presidentes de Fla e Flu reforçam ruptura e estudam criação de liga




O Fluminense segue junto com o Flamengo na caminhada política fora do gramado. A guerra contra a FERJ continua. E hoje ganhou mais um novo capítulo: em participação no programa “Bate-Bola”, da ESPN Brasil, nesta quinta-feira à noite, Eduardo Bandeira de Mello e Peter Siemsen debateram ao vivo com o Rubens Lopes, presidente da federação, reforçaram o rompimento com a entidade e explicaram que estudam a criação de uma liga. Confira abaixo:

ROMPIMENTO COM A FERJ

“Nós já estamos rompidos com a federação, isso é definitivo e irreversível. Estamos disputando esse Campeonato Caricoa de 2015 sob protesto, em respeito a vocês da imprensa, televisão, torcedores e público em geral. Mas a partir de 2016 a conversa vai ser outra. Não sou de bravatas, não gostaria de dizer que vamos criar uma liga, que ano que vem vai ser assim. Isso envolve a esfera jurídica e política, mas temos conversado com interlocutores, entre eles a televisão, e estamos dispostos a mudar a partir do ano que vem, mesmo que a gente perca um pouco de dinheiro”, afirmou o rubro-negro Bandeira.

“Estamos buscando caminhos. A Lei Pelé permite a criação de ligas, mas o estatuto do esporte fala em aprovação para poder criar essas ligas. Então, estamos analisando os caminhos mais seguros e consistentes. Estamos vendo qual a melhor forma para que isso aconteça, com o menor prejuízo para o torcedor, para a televisão e para os clubes. Mas vamos esticar a corda se for preciso, mesmo que perca dinheiro no primeiro ano, às vezes é melhor dar um passo atrás para depois dar dois à frente”, disse o tricolor Siemsen.

UNIÃO

Os presidentes Flamengo e Fluminense deixaram clara a insatisfação com a administração atual da FERJ e foram duros nas críticas:

“São dois times que são adversários ferozes dentro de campo, mas agora Flamengo e Fluminense têm interesses comuns, temos inimigos comuns também e estamos trabalhando para revitalizar o futebol carioca. Acho que é assim que tem que ser. Acho que eu sofro de um mal que é difícil de curar, que é tentar ressuscitar o futebol carioca, mudar esse empobrecimento técnico e financeiro”, afirmou Eduardo Bandeira de Mello, que acrescentou:

“Flamengo e Fluminense vão apresentar em breve um marco regulatório para o futebol carioca, aquilo que a gente entende que seja um bom modelo administrativo, seja ele uma liga, uma federação, mas que seja de melhorias”.

“Eu não acredito mais nessa federação, podem falar o que quiser, eu não acredito mesmo. Já tiveram anos para fazer alguma coisa e nada foi feito. Então, essa diretoria, esse presidente, não tem credibilidade comigo para que eu sente e possa estabeceler a criação de um plano. Porque só existe um plano quando tem um ser humano em quem você acredite, e eu não acredito. Por isso não vou mais nas reuniões, vai o nosso representante; A melhor coisa para o futebol carioca é a cisão”, declarou Peter Siemsen, que completou:

“Você vê uma evolução no futebol mundial, na Europa, várias ligas nos Estados Unidos, surgindo na Austrália também, você vê crescimento no futebol de países com a cabeça voltada para a modernidade. O Brasil é o país dos contrastes, apesar de ser o país do futebol, nosso modelo é de um país subdesenvolvido. Não só a federação, mas clubes também. A federação do Rio tem uma atitude antiquada. A Lei Pelé veio com essa proposta de criação de ligas, mas a regra dentro do âmbito esportivo contraria a Lei Pelé. Por isso estamos fazendo um estudo para que a gente possa superar esse conflito de regras, para que os clubes se unam e criem uma liga forte”.

Por Explosão Tricolor / Fonte: ESPN

PUBLICIDADE