Quem tem Gum, tem medo?




Quem tem Gum, tem medo? (Foto: Nelson Perez / FFC)
Quem tem Gum, tem medo? (Foto: Nelson Perez / FFC)

Hoje, o zagueiro Gum é o principal alvo de críticas de uma grande parcela da torcida do Fluminense. Mas será que o Gum é mesmo tão ruim?

A temporada do Gum realmente não é nada boa. Ele foi muito irregular em 2015. Faltou uma boa sequência para ele. Não vou ser hipócrita, ele realmente falhou em alguns jogos e eu o critiquei.

No entanto, discordo da forma como ele tem sido criticado e execrado. E não acho também que o mesmo seja um péssimo zagueiro.

Não é preciso ir muito longe. Na temporada passada, o Gum vinha fazendo um excelente ano, até que, infelizmente, fraturou a fíbula da perna esquerda diante do Coritiba, no Maracanã, pela 14ª rodada. Até então, o Fluminense era o vice-líder do Brasileirão. Sendo Gum o pilar da defesa e um dos melhores do time. Logo após a saída dele, o Fluminense encarou o América-RN, pela Copa do Brasil. Partida que marcou a queda do setor defensivo tricolor.

Me recordo bem, que após se recuperar da cirurgia, em seu primeiro treinamento, o Gum foi muito aplaudido nas Laranjeiras. Sinal do bom momento que ele vivia até então.

A lesão foi tão grave, que ele só retornou no duelo contra o Cruzeiro, no último jogo do Brasileirão. Inclusive, o início da atual temporada foi comprometida. Tanto pela recuperação e preparação física após a fratura, quanto pelas sérias complicações da sua cirurgia de apêndice.

Um péssimo zagueiro não seria bicampeão brasileiro, fazendo parte da melhor defesa da competição nas duas conquistas. O Apelido de “Gum Guerreiro” não surgiu do nada. O torcedor reconhecia o bom desempenho, com importantes gols marcados, além de toda a raça demonstrada em campo.

Voltando ao momento atual, fica claro que o Gum cresce quando a equipe está bem montada defensivamente. Foi assim nos dois jogos da semifinal da Copa do Brasil. No clássico do último fim de semana, ele teve partida exemplar. Com bom posicionamento, fez vários ótimos bloqueios defensivos. Com a entrada do Jean na lateral, o Gum fica seguro com a boa marcação pela direita e não necessita sair da sua posição. O seu desempenho melhora muito.

Muitas vezes o torcedor não enxerga o conjunto e foca apenas em uma peça. Se a defesa ficar exposta, o Gum, como qualquer outro zagueiro, pode talvez falhar ou perder uma jogada para um atacante veloz. E isso vinha acontecendo com o Fluminense ao longo da temporada. Quase sempre houve desorganização, pois não tínhamos proteção na frente da zaga.

O Gum teve mais temporadas boas do que ruins com a camisa tricolor. Vejo como possível uma retomada de confiança junto ao torcedor. O trabalho do Eduardo vem sendo interessante, com ele, o Gum pode voltar a desempenhar um bom papel no time guerreiros na próxima temporada.

Saudações, Tricolores!

Por Leandro Alves / Explosão Tricolor / Foto: Nelson Perez / FFC

Siga-nos no Twitter e curta nossa página no Facebook

PUBLICIDADE