Resposta dada!




PETER-02O presidente Peter, severamente criticado por não “bater de frente” com a FERJ, parece ter ouvido as críticas e está revertendo o quadro. Jurista, tem noção do absurdo que é o autoritarismo imposto pelo Rubens Lopes, atual presidente e tem respondido a altura.

Recentemente, em nota, disse tudo que todo torcedor tricolor tem vontade de dizer à FERJ sem perder a compostura e, ontem, no programa “Bate-Bola”, juntamente com o presidente do Flamengo, deu show e deixou a FERJ em maus lençóis. Com posições seguras, não permitiu que o presidente da entidade saísse ileso, em uma transmissão para milhares de telespectadores. Rubens Lopes se perdeu em sua arrogância, autoritarismos e ignorância, tendo, por várias vezes, recebido “um cala boca” da equipe da emissora, claro que, em forma de argumentos.

Dentre as várias colocações do presidente tricolor, gostaria de destacar uma das falas. Segundo Peter, existe nesse momento, iniciativa séria para criação de uma liga. Isso é importante, porque é necessário realmente ter uma organização, planos elaborados, buscando um caminho alternativo para superar esses obstáculos, não dá para ficar só no “gogó”, tem que se arregaçar as mangas:

“Estamos buscando caminhos. A Lei Pelé permite a criação de ligas, mas o estatuto do esporte fala em aprovação para poder criar essas ligas. Então, estamos analisando os caminhos mais seguros e consistentes. Estamos vendo qual a melhor forma para que isso aconteça, com o menor prejuízo para o torcedor, para a televisão e para os clubes. Mas vamos esticar a corda se for preciso, mesmo que perca dinheiro no primeiro ano, às vezes é melhor dar um passo atrás para depois dar dois à frente.”

Detalhe importante nessa história, é a presença do presidente do Flamengo. Essa aliança entre Flamengo e Fluminense no âmbito político, no modelo atual de administração, é excelente. Fundamental eu diria. Apesar da rivalidade dentro de campo, a dupla Fla-Flu tem peso inigualável no futebol Carioca, pelo histórico de serem os maiores campeões do estado, e também pela representatividade das suas torcidas, que juntas, somam quase 70% dos torcedores cariocas.

Hoje, a aliança, permite aos 2 clubes EXIGIR da federação um novo modelo de gestão, diferente do ditatorial que hoje existe. A aliança de diretorias é extremamente funcional para que haja a democracia que diz direito aos clubes.

Caso contrário, como os próprios presidentes propuseram, que se crie uma liga à parte e abandone a FERJ. Seria mais um marco para um clube tão importante na história do futebol brasileiro, o Tricolor poderia fazer parte dessa revolução pioneira no cenário nacional, em busca do melhor para o desporto Carioca.

Aplaudo a postura do presidente Peter Siemsen. Mostrou personalidade, caráter e conhecimento para, sem perder a compostura, colocar a FERJ no seu lugar. É o que torcedor tricolor reivindica, o que ele quer ver, ter o representante do seu clube mostrando força, pois o Fluminense é isso, um clube revolucionário por natureza, o Fluminense é grande!

Por Leandro Alves

Siga-nos no Twitter e curta nossa página no Facebook

PUBLICIDADE