Saiba as condições do empréstimo de Robinho ao Bashundhara Kings, de Bangladesh




Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC



Contratação mais cara realizada pela gestão do ex-presidente Pedro Abad, o atacante Robinho, de 25 anos, agora, seguirá para o Bashundhara Kings, de Bangladesh. O novo empréstimo, no entanto, será em outro molde: pela primeira vez, o Fluminense não arcará com parte do salário do jogador.

Em entrevista concedida ao podcast do GE, o diretor executivo de futebol, Paulo Angioni, explicou a situação de Robinho, que, apesar de pouco aproveitado, tem rendimentos mensais elevados (algo superior a R$ 100 mil).

– Eu não estava aqui quando foi contratado. Apareceu muito bem no mercado pelo Figueirense. Veio contratado. E não foi uma contratação barata. Foi uma contratação bem cara. E quando o jogador é caro, ele é caro também no salário. E pela resposta dada, ficou mais caro ainda. Então a gente vem emprestando, é normal no futebol… E em todos aqueles clubes que ele foi emprestado, o Fluminense sempre arcou com parte do salário – contou Angioni.

– Chegou o momento em que o Fluminense entendeu que não tinha mais como arcar com o salário. Então surge essa proposta de um time de Bangladesh. Ele está emprestado ao Água Santa, está retornando, também nesse processo de estender mais um pouco o contrato para que terminasse a competição… Ele está voltando e está sendo emprestado para (esse clube de) Bangladesh. Pela primeira vez o clube que o pretende vai pagar o salário integral.

Opção de compra

O novo empréstimo ainda dará ao clube asiático a opção de compra, o que é visto com bons olhos em Laranjeiras como uma forma de se “ressarcir” pelos altos custos que teve com o atleta. O jogador foi contratado em 2017 por € 2 milhões de euros (cerca de R$ 7,4 milhões), e seus direitos econômicos estão divididos entre o Tricolor, que tem 55%, e o Atibaia-SP, onde foi revelado.

Acordo com o Atibaia

Caso Robinho não seja contratado em definitivo após o empréstimo, o Fluminense já costurou um acordo com o Atibaia-SP, que abrirá as portas para o atacante ao fim do contrato com o Tricolor. Neste cenário, o Flu, em vez de ficar sem nenhum direito econômico, acertou com o clube paulista de permanecer com 30%, como forma de ainda ter chance de um retorno futuro.

– Com certeza, nesse período, se ele der certo lá, o Fluminense conseguirá se ressarcir dos custos com a venda… Se acontecer. Deus queira que aconteça, para o bem do Fluminense e do atleta… Seguir a vida dele. Caso não aconteça, o Fluminense vai abrir mão dos direitos federativos do jogador. Até porque não tem como renovar e o Fluminense não tem como diminuir o salário, porque a lei não permite. A gente vai abrir mão. O Fluminense, hoje, tem 50% de direitos econômicos (nota do editor: na verdade, segundo o Portal da Transparência do Flu, são 55%). Quando ele foi adquirido, foi adquirido apenas 50% dos direitos econômicos – explicou Angioni.

– A gente vai abrir mão de 20% dos direitos econômicos, não vai pagar mais salário e vai manter 30% dos direitos econômicos para o clube que ele retornar, que é o clube de origem dele, o Atibaia. O Fluminense vai continuar mantendo 30%, perde 20%, mas não paga mais o salário alto que tinha até então – concluiu o executivo tricolor.

Robinho defendeu o Fluminense em 30 jogos, tendo sido titular em apenas seis, e marcou quatro gols. Sua última partida pelo Tricolor foi em 7 de junho de 2018, na derrota por 2 a 0 para o Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro.

Clique aqui e veja a lista com as últimas notícias do Fluzão!



Por Explosão Tricolor / Fonte: GloboEsporte.com

E-mail para contato: explosao.tricolor@gmail.com

PUBLICIDADE