Sem rumo




Foto: Vinicius Toledo / Explosão Tricolor

Quando a gente pensa que já viu de tudo, surge o jornalista Mauro Cezar para soltar a seguinte pérola sobre o Fla-Flu da última quarta:

“O técnico do Flamengo nem foi o Jorge Jesus. Achei que o jogo foi até bem igual. O Fluminense aproveitou a oportunidade para derrotar o seu grande rival. O Flamengo, com um time de garotos, teve média de idade de 20 anos. Você percebe uma grande festa da torcida do Fluminense. Gente, o Fluminense ganhou de um time sub-23. Para a estatística e gozação, vale, mas eu acho isso (comemoração) assustador. A forma como a vitória é encarada me chama atenção”.

É mole ou quer mais? Quer dizer que o torcedor, que paga ingresso, não tem mais o direito de comemorar uma vitória sobre o seu rival? Essa declaração do Mauro Cezar foi constrangedora, ou melhor, risível em nível máximo. Além disso, sinaliza uma total falta de rumo nos argumentos, pois ele fala que para estatística e gozação, vale, mas ao mesmo tempo reprova a comemoração. Ou seja, perdidinho!

Não sei se o lado clubista falou mais alto ou se a intenção era chamar atenção por conta de audiência, mas ficou feio, muito feio. Inclusive, torcedores de outros clubes repudiaram essa postura do jornalista da ESPN Brasil.

Apenas para informação, a torcida tricolor tem o costume de descer as rampas do setor sul do Maracanã fazendo festa sempre que o time vence. A vitória pode ser sobre o time mais modesto do mundo, que todas as gerações de tricolores comemoram no maior clima familiar. Isso é ser Fluminense e essa é a essência da arquibancada verde, branca e grená. Sendo assim, não adianta distorcer fatos e inverter valores.

Forte abraço e ST!

Vinicius Toledo

PUBLICIDADE