Sem talento alGUM!




Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC

Foi sofrível ver o Fluminense em campo ontem à noite. Alguns otimistas vão dizer que o time teve uma chance clara com Marcos Júnior antes de tomar o primeiro gol; que depois foram duas bolas na trave; que o time correu e deixou o sangue em campo; que o resultado mentiroso… dentre outras baboseiras que se escuta sempre que alguém resolve maquiar o fato de que não temos elenco.

É isso mesmo galera: o Fluminense não tem time. Tudo bem que o Pedro é o artilheiro do campeonato e de vez em quando temos alguns lampejos do Sornoza. Mas isso é muito pouco para um clube com as glórias do maior tricolor do país.

Na última coluna escrevi exatamente sobre as deficiências do time e como os atletas entram cabisbaixo em campo. Pra mim, tudo isso é reflexo da diretoria, que não lhes transmite segurança e é totalmente desprovida de carisma com o grande público. Insisto: só quero mais 25 pontos e pensar em 2020, já que ainda teremos que suportar Pedro Abad no ano que vem.

Mas a parte emocional do presidente e seus asseclas da Flusócio não é o único problema nas salas climatizadas das Laranjeiras. Falta competência para administrar o clube como manda a sua grandeza. Já tive oportunidade de escrever, por exemplo, sobre a contratação de Júnior Dutra e todos os aspectos negativos que representava. Hoje, com razão, ele foi vaiado durante boa parte da partida e substituído sem deixar saudade.

Mas antes de culpar os jogadores, a diretoria deve ser responsabilizada. Será que eles não perceberam que o mesmo Júnior Dutra estava encostado no Corinthians? Não notaram que o Luciano fez apenas nove jogos no Panathinaikos da Grécia na temporada 2017/2018 e marcou só dois gols?  

E a nossa zaga? Por mais que eu respeite o passado de Gum no Fluminense, não dá mais! Ele não tem velocidade para acompanhar os atacantes e às vezes tenta jogadas que, de antemão, todo mundo já sabe que vai dar errado. E o Digão? O cara estava encostado no Cruzeiro e praticamente não jogou a temporada passada. Mas serve pro Fluminense e pros gênios da Flusócio. Aliás, o título deste texto foi uma zoeira de um amigo cruzeirense. Até isso temos que aguentar. Inacreditável!

Mas repito: a culpa não é só dos jogadores. Na verdade, a menor culpa é a deles. Todo mundo sabe do que eles são capazes e se ainda há gente que os contrata é porque quer afundar a nossa história. Até se fossem atletas mais novos, talvez fosse aceitável a justificativa de que eles poderiam amadurecer e mostrar todo o seu potencial. Mas Digão, Luciano e Júnior Dutra já estão rodados e a contratação deles só demonstra o nível de amadorismo da diretoria.

Sim meus amigos, estou escrevendo esta coluna no auge da raiva depois de um 3×0 no Maracanã. Mas analisando de maneira fria e um pouco mais racional, desde a última terça-feira já dizia que seria uma zebra ganhar do Inter, mesmo jogando em casa. E ela não aconteceu. Ao contrário, o jogo foi resolvido pelos gaúchos logo no primeiro tempo.

O que devemos esperar de uma diretoria que não sabe nem fazer um bom marketing e contar com patrocinadores que honrem o compromisso que assumem? Primeiro a Viton 44 e agora a Valle Express. Pergunto: quem aqui já teve um cartão com essa bandeira? Tomara que agora que ela foi vendida para um grupo de investidores norte-americanos eles tenham vergonha e paguem o que devem ao Fluminense.

O time é ruim e com salário atrasado é ainda pior. Sim, porque basta uma pesquisa rápida na Internet pra perceber que os direitos de imagem dos atletas não estão em dia. E são esses diretos que compõe a maior faixa salarial deles. Ou seja, além de ruim, os jogadores ainda convivem com a incerteza de receber no final do mês. É triste, porque nada justifica não cumprir o que foi combinado no momento da contratação. Podemos até não gostar do cara, mas ele tem que receber em dia. Isso é o mínimo!

Em resumo, a ideia fixa continua sendo a de chegar aos 47 pontos e torcer pro mesmo acontecer no ano que vem. Além disso, rezar pro banimento da Flusócio nas urnas, porque eu não acredito em impeachment com essa oposição meia boca que se instalou no clube. Na verdade, falta talento dentro e fora de campo.

Continuemos cobrando e lutando por dias melhores. O Fluminense não pertence aos piscineiros e nem à Flusócio; ele é da torcida tricolor e da galera que quer ver o futebol sempre brigando lá em cima. A parte social? Só se sobrar tempo e grana.

Ser Fluminense acima de tudo!

Evandro Ventura

Clique aqui para seguir o Explosão Tricolor no Instagram

Siga-nos no Twitter e curta nossa página no Facebook

E-mail para contato: explosao.tricolor@gmail.com

PUBLICIDADE