Sinal de alerta ligado no Fluminense




O torcedor está preocupado com o Fluminense 2015 (Foto: Vinicius Toledo / Explosão Tricolor)
O torcedor está preocupado com o Fluminense 2015 (Foto: Vinicius Toledo / Explosão Tricolor)

Vou logo mandando a real: se você não aceita críticas ao Fluminense e gosta de viver que nem a Alice no País das Maravilhas, sugiro que nem perca seu tempo lendo o restante do texto. Quem me conhece bem, sabe que não costumo fugir da dividida e nem sou fazedor de média. 

A parada é a seguinte: estou bastante preocupado com o Fluminense. Esta pré-temporada tem sido uma piada para quem entende um pouco de futebol. A bola não entra na rede adversária apenas com a camisa jogando ou tendo o maior artilheiro do país. Não é possível que algumas experiências anteriores não tenham servido de lição. 

Já são muitos erros para uma pré-temporada que deveria estar sendo realizada de forma muito mais intensa nas partes física, técnica e, principalmente, tática. Só não enxerga quem não quer. É óbvio que torcerei bastante, isso está no sangue e na alma. Quando a bola rola, a gente canta, vibra e pula pra valer, pois o Fluminense está acima de tudo. Mas, infelizmente, não podemos tapar o sol com a peneira. Se você leu até aqui, deve estar comentando o seguinte: “Porra, o Vinicius é o maior corneteiro do cacete” ou “Vá se ferrar! O maluco é o maior pessimista”. O leitor mais contestador perguntará: “Quais são os erros, Vinicius?” Responderei abaixo:

1 – Iniciar o ano de 2015 com tantas incertezas no elenco. O Conca já foi. E acho que não parará por aí.

2 – Embarcar para os Estados Unidos com o Conca já vendido. Alguém acredita que a negociação já não estava fechada? Quem acompanha o clube diariamente, sabe muito bem que ele já estava vendido.

3 – Em termos de preparação, a viagem aos Estados Unidos foi terrível. O time perdeu alguns dias nos deslocamentos aéreos, folgas no retorno ao Rio e etc…

4 – A “brincadeira” feita pelo Cristóvão Borges nos intervalos dos dois jogos da Florida Cup quando sacou os 11 titulares nos intervalos dos dois jogos. Resultado final: saco de pancadas da competição que, segundo a diretoria tricolor, serviu para internacionalizar a marca. Não sei se o objetivo comercial foi atingido, mas tenho a certeza de que ficamos com a mesma fama que a Arábia Saudita fica quando disputa uma Copa do Mundo.

Para piorar nossa situação, nesta reta final de preparação, o Cristóvão não tem um esquema de jogo definido. No jogo-treino contra a Cabofriense, vimos um meio-campo formado com Édson, Jean, Wagner e Walter. Dá para ser feliz? Assisti o jogo-treino. No primeiro-tempo, não gostei de nada do que vi. E nem poderia, pois o Cavalieri foi o melhor em campo. O time esteve lento, preso e sem inspiração alguma. Totalmente engessado. Na segunda etapa, o panorama mudou. Não foi nenhum espetáculo de primeira, mas o Marlone, Vinicius e Michael deram uma outra movimentação ofensiva.

Finalizando, o sinal de alerta está ligado no Fluminense. Muitas incertezas com relação aos medalhões, pré-temporada equivocada, sério problema financeiro, técnico confuso, incógnita nas laterais, time sem cérebro no meio de campo e etc…

Apesar de todos os problemas, o pulso ainda pulsa. Jamais deixarei de apoiar e chegar junto na arquibancada. Mas não me peçam para tapar o sol com a peneira, pois a coisa não está nada legal. Torcerei bastante para que a diretoria e o time queimem minha língua. Tomara!

EXPLOSIVAS DO GUERREIRO

1 – Pelo que vi no jogo-treino, não há a mínima possibilidade do Gérson e Kenedy não serem titulares do Fluminense em 2015. 

2 – Tudo bem, os jogadores ainda estão sem ritmo, mas não consigo ver os garotos no banco para o Lucas Gomes e o Walter. 

3 – O Henrique é brincadeira! 

4 – Não dá para ter o Walter e o Fred entre os titulares. Mas não dá mesmo

Saudações Tricolores!

Vinicius Toledo / Explosão Tricolor

Siga-nos no Twitter e curta nossa página no Facebook

PUBLICIDADE