Subdesenvolvimento não se improvisa…




Fred (FOTO: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.)



‘’Subdesenvolvimento não se improvisa; é obra de séculos’’ – Nelson Rodrigues

O título do texto poderia ser ‘’uma maratona de desafios’’. Para efeito de argumentação, contudo, prefiro o aforismo rodrigueano – subdesenvolvimento não se improvisa; é obra de séculos. A frase resume, traduz, representa e denota os últimos acontecimentos. Sim, amigo leitor. E eu começo pelo drama pessoal. O subúrbio carioca tem todas as características do subdesenvolvimento. Mais uma vez, por conta de uma pane no fornecimento de internet, não pude acompanhar o jogo entre Fluminense e Portuguesa. Triste realidade. Não vou escrever uma única e mísera linha sobre a peleja. O leitor vai indagar com razão: sobre o que são os próximos parágrafos? São sobre a conjuntura atual, amigos!

No meio de semana, a Conmebol resolveu realizar o maior espetáculo e prova pública de subdesenvolvimento dos últimos anos. Não vou detalhar, descrever e voltar ao assunto que o leitor já conhece. Em resumo: o Tricolor foi prejudicada pela entidade e, por conseguinte, foi uma espécie de Júlio Verne do futebol sul-americano. Viajamos distâncias que nos permitiriam dar a volta ao mundo. Ou mesmo uma viajem de inda e volta ao centro da terra. E a arbitragem da partida? A arbitragem da partida foi apenas mais uma consequência do ignóbil comando da entidade máxima do futebol do continente. 

Depois de derrotar a Portuguesa, o Time de Guerreiros entra em uma nova jornada de decisões e grandes desafios. Apesar do desprestigiado Campeonato Estadual que, inegavelmente, vem perdendo credibilidade e apelo, o Torcedor Tricolor viverá outra vez o Fla x Flu. Em qualquer contexto, mesmo com toda a vocação da FERJ para o subdesenvolvimento, um Fla x Flu decisivo é sempre um Fla x Flu decisivo. O maior clássico da história do futebol mundial reserva uma véspera de angústia, ansiedade e lembranças nostálgicas. Creio no triunfo Tricolor como o devoto ajoelhado diante da imagem de uma Santa.

Antes, todavia, o Pó de Arroz tem pela frente um outro grande desafio. Em casa, pela Copa Libertadores, enfrentaremos o aguerrido Santa Fé. Muitos analistas argumentam que o Independiente da Colômbia não é uma grande equipe do ponto de vista técnico. E os especialistas tem razão. Por outro lado, mesmo derrotado em casa pelo Amado Clube de Laranjeiras, a equipe colombiana foi vigorosa e aguerrida. Mesmo em desvantagem, sofrendo gols no começo de cada um dos tempos da partida, o Santa Fé mostrou muito espírito de luta e dignidade moral. Acredito na vitória do Fluzão, mas, nós todos sabemos: não será fácil! Novamente: creio no triunfo Tricolor como o devoto ajoelhado diante da imagem de uma Santa.

Vamos, Fluminense! Será difícil, mas, a vitória é o nosso destino e, seja no Cariocão ou na Libertadores, o manto azul e divino da Glória nos espera. Nossa Senhora da Glória, a Padroeira oficial do Clube mais Amado do Brasil, está guiando cada passo de nossa árdua e fustigante jornada. 2021 será o ano da Glória Tricolor, de Nossa Senhora da Glória, da Glória Eterna! Vamos contra tudo e contra todos, contra o subdesenvolvimento Estadual e Continental, contra arbitragens ruins, pois, ao nosso lado, amigos, está a Força Divina e redentora da Glória – de Nossa Senhora da Glória!

Avante, Guerreiros Tricolores!

Teixeira Mendes



PUBLICIDADE