Surto de Covid-19 no elenco, cobrança da torcida, chegada de Lucca e muito mais: leia a entrevista coletiva de Nino




Foto: Reprodução / FluTV



Zagueiro concedeu entrevista coletiva antes do treino da tarde desta quarta-feira

Na tarde desta quarta-feira (30), o zagueiro Nino concedeu entrevista coletiva no CT Carlos José Castilho. O defensor falou sobre o surto de Covid-19 no elenco tricolor, oscilação da equipe, perda da titularidade, cobrança da torcida, chegada de Lucca e muito mais. Confira abaixo todas as respostas do jogador:

Surto de Covid-19 no elenco tricolor 

“A gente lamenta muito a situação da Covid. O Ganso e todos os outros nove jogadores. Era uma situação que a gente sabia da exposição que a gente enfrentava todos os dias. Não existe protocolo seguro quando você luta contra um vírus, algo que você não consegue enxergar. A gente lamenta por essa situação, pela apreensão, pelo medo da contaminação, medo de colocar os funcionários em risco, nossos familiares que estão em casa em risco… É algo que abrange não só nós jogadores, mas nossa família também. Tem jogadores com esposas grávidas, jogadores que têm contato direto com avós, pais, pessoas de risco. A gente espera que isso passe o mais rápido possível.”

Oscilação da equipe

“Realmente este último mês foi um mês bem diferente, bem difícil. Nós jogadores tentamos fazer sempre o nosso melhor, ajudar o time, responder as expectativas em cima de nós, mas infelizmente nem sempre nós conseguimos. Passei por um momento difícil, tive o apoio de todas as pessoas dento do clube. Professor Odair foi muito transparente comigo, me passou muita confiança e eu fico muito feliz de no último ter ajudado, consegui fazer um gol e me sinto muito honrado por isso. Uma coisa que eu nunca vou fazer é parar de trabalhar, é baixar a guarda. Então, o que depender dos meus esforços, eu vou estar sempre tentando fazer o meu melhor para ajudar a todos.”

Perda da titularidade

“A gente fica muito triste a partir do momento que a gente não vê as coisas acontecerem da maneira que deseja. Eu sou um cara muito focado em trabalhar, em fazer meu melhor. Todos os dias que estou aqui no clube meu pensamento é esse. E quando você vê que as coisas não estão acontecendo da maneira que você deseja, é claro que bate uma tristeza. Eu sempre fui muito tranquilo em relação a isso de estar jogando ou não. O importante é que o time esteja vencendo, esteja jogando, rendendo. E o Odair é muito transparente, não só comigo, mas com todos os jogadores. É um cara que tem o grupo na mão. Todos gostam dele.

A conversa foi tranquila, ele me passou toda confiança. Com certeza foi uma conversa que fez toda diferença para que eu pudesse continuar motivado, trabalhando. Graças a Deus, não desanimei, continuei focado no Fluminense. No jogo passado pude fazer um gol. Espero que eu continue ajudando e fazendo o meu melhor.”

Cobrança da torcida

“Doeu em todos a eliminação. Era algo que a gente sonhava (o título da Copa do Brasil), algo que nós concentramos todas as forças e energias. Infelizmente não conseguimos. Entendemos a decepção do torcedor. A partir do momento que a gente joga no Fluminense, você tem que entrar para brigar por títulos em todas as competições. E nós podíamos ir mais longe. Com certeza estamos todos tristes, mas temos que virar a chave. Confiamos totalmente no professor Odair, assim como todos no clube, que conhecem ele. Sabemos do que nosso grupo pode render. E a gente espera que o mais rápido possível a gente possa trazer a torcida para o nosso lado de novo, porque eles têm muita importância para o nosso time.

Faz parte o protesto, a tristeza, a decepção da torcida. A gente entende eles. O que a gente tenta o mais rápido possível é esquecer isso para que não nos atrapalhe nos próximos jogos. O que nos resta é o Brasileiro, e a gente está focado para fazer do Brasileiro uma grande competição, onde a gente possa alcançar bons lugares e que a gente possa resgatar de novo a alegria da nossa torcida, que merece. Que eles possam se orgulhar do nosso time mais uma vez.”

Bom momento de Luccas Claro

“Pode ser uma surpresa para quem não acompanha os treinos, para gente que está no dia a dia não é uma surpresa. Todo mundo sabia da qualidade do Luccas Claro. No começo do ano, quando eu estava na seleção (olímpica), ele foi muito bem. Era um cara que todo mundo já sabia da qualidade. A partir do momento que você tem oportunidade, sequência para mostrar seu futebol, é o que vai acontecer. Ficamos muito felizes pelo Luccas Claro. Serve de motivação para os que não estão jogando. Temos um grupo muito qualificado e, a partir do momento que forem exigidos, com certeza todos vão mostrar seu potencial.”

Mudança na defesa contra o Coritiba

“Infelizmente não temos treino para treinar. Mas são todos jogadores experientes, que têm uma bagagem muito boa. No pré-jogo, a gente aproveita para conversar bastante. Mas não tem segredo: ótimos jogadores, que se esforçam muito, trabalham todos os dias. A gente vê que todo mundo consegue jogar junto, mostrar um entrosamento, o time fica seguro, fica compacto. A qualidade, então, vem acima de qualquer dificuldade que apareça.”

Falhas de Muriel 

“O Muriel é um cara muito experiente e ele mais do que ninguém sabe do potencial dele. Muriel muitas vezes nos salvou. Muitas vezes ganhamos ou seguramos o empate por causa dele, pelas belas atuações. Todos nós estamos sujeitos ao erro, a desclassificação não foi culpa dele. Todos temos a mesma parcela de culpa. Assim como na vitória, todos temos a mesma parcela de glória, de mérito. O Muriel é um cara bem resolvido, muito experiente. Não tem super-homem. Todos nós vamos errar em algum momento e o que vai fazer diferença é continuar trabalhando, o grupo todo apoiar… Nós já vimos a partida que ele fez contra o Coritiba. Isso só nos mostra e ressalta o grande profissional que ele é.”

Chegada de Lucca

“O Lucca, especialmente no Criciúma, era uma referência para mim. Era um cara que tem uma história muito bonita no clube. Quando eu cheguei lá, ele já estava no profissional e eu ainda na base. No Criciúma, eu pouco contato tive com ele, mas minha admiração era grande pelo profissional que ele é, pela história que ele tem lá, pelo respeito que ele conquistou. Tenho certeza que vai nos ajudar muito. Ainda não tive contato com ele, mas quando tiver, vou mostrar toda admiração que eu tenho. Vamos fazer de tudo para que ele seja bem recebido, se concretizar. Certeza que ele vai ajudar muito.”

Protocolo de segurança da CBF

“A verdade é que nós nunca estivemos seguros. Como eu falei, a gente luta contra algo que não conseguimos ver. O que deixa mais em estado de alerta e nos dá impressão de ficarmos mais expostos são as viagens, que não tinham no Estadual. A gente pega avião, fica concentrado em hotel… Mas a exposição acontece de todas as maneiras. Difícil falar em um protocolo quando a Ciência nem sabe explicar certamente se a pessoa pode pegar mais de uma vez, se a pessoa cria os anticorpos necessários… É dúvida total. A gente infelizmente não tem o que fazer. A verdade é que nós estamos expostos, e os cuidados têm que ser tomados individualmente para que não aconteça algo pior.”

Setembro Amarelo

“Antes de encerrar: hoje é o último dia de setembro, a gente vê a campanha do “Setembro Amarelo”, que é a prevenção do suicídio, uma realidade muito triste que nós enfrentamos. Eu queria deixar um recado, talvez tenha alguém aqui assistindo ou que vá assistir depois, que esteja lutando contra pensamentos suicidas… Eu queria dizer que você não está nessa luta sozinho, você pode procurar ajuda, muitas pessoas são capacitadas a te ajudar. A sua vida não se resume a esse momento de angústia. Não desista, a sua vida tem valor.”

Clique aqui e veja a lista com as últimas notícias do Fluzão!



Por Explosão Tricolor

E-mail para contato: explosao.tricolor@gmail.com 

PUBLICIDADE