Uma retrospectiva muito louca, sem pé nem cabezas




Amigos Tricolores, a temporada futebolística acabou, pelo menos para os profissionais. Foi um ano difícil para o Fluminense. É hora de relembrarmos alguns momentos, bons ou ruins, vergonhosos ou não, lamentáveis ou não. Lógico que a administração do Pedro Abad foi muito lembrada. Vamos aos fatos:
O golaço do ano: SORNOZA, olímpico, num ano de pouca inspiração.
A defesa do ano: JÚLIO CÉSAR, no pênalti da salvação.
Chinelinho do ano: GILBERTO
Chinelaço do ano “hors concours”: DE AMORES, que mudou o nome para De Lesiones, ou De Las Dores…
Pedro incompetente que deu sorte: PEDRO ABAD, que fez tudo para cair e não caiu
Pedro competente que deu azar: PEDRO artilheiro, que fazia a melhor temporada de sua vida e teve uma contusão séria no momento em que foi convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira.  Mas vai dar a volta por cima!
Pedro competente que se deu bem: JOÃO PEDRO, do Sub-17, artilheiraço e já vendido ao Watford. Porque craque a gente faz em casa, ou desenvolve, para o Watford fazer a feira e levar baratinho.
Guerreiro mais uma vez: GUM
Começou o ano em alta e acabou em baixa: AYRTON LUCAS
Pior jogador do ano: JUNIOR DUTRA. 18 jogos sem gols nem assistências, e muitas furadas. O Fluminense não merece isso. Não mesmo!
Contratação sem pé nem cabezas: BRYAN CABEZAS
A contusão que mais doeu: PEDRO
Tão inexpressivos que quase esqueci deles: JOÃO CARLOS e KAYKE, duplinha inútil que não faz gol
15 segundos de fama: O goleiro reserva RODOLFO, quando pegou um pênalti contra o Botafogo no Brasileirão.
Correu, correu, correu e foi para no Japão: MARCOS JUNIOR
Me engana que eu gosto: Depois do vice em 2009, foi a melhor campanha do Fluminense na Copa Sul-Americana
Me engana que eu não gosto: MARCELO OLIVEIRA conversinha
Um sacode bacana: QUATRO A ZERO NO TIME DA GÁVEA, que ano passado ralou para ganhar de nossos times mistos e, na hora que botou o misto deles alegando que tinha um dos melhores elencos do Brasil, tomou um vareio de bola.
Sumiu, ninguém sabe ninguém viu: O Projeto improdutivo Flu Samorin. Interessa a você? Nem a mim!
Essa eu Superligo: Fluzão na Superliga Feminina
Um patrocinador bem complicado: O Descomplica, que não fez jus ao nome e, após assinar com o clube, debochou dele nas redes sociais após uma derrota. Chega a ser inacreditável, mas aconteceu… Resultado: Rescisão do contrato.
Um patrocinador que foi uma roubada: Vale Express. Chegou, prometeu mundos e fundos, assinou, deu calotes e faliu…
Conquista me engana que eu gosto: Taça Rio com uma goleada de 3 x 0 no Botafogo. Se o Carioquinha não vale mais nada, imaginem um turno…
Único motivo de orgulho: O time Sub-17
A escrita quebrada do ano: Chapecoense. Vencemos duas vezes. Aliás, único time sobre o qual fizemos 6 pontos no Brasileirão
O time que tirou o fôlego do Fluminense: Nacional de Potosí, que botou correria a 4.100 metros, mas o Flu guerreiramente se aguentou e trouxe a vaga
De protagonista e cotado para a Seleção a banquinho dos porcos: Gustavo És crápula, o Traíra
Acredite se quiser: O time Sub-20 termina o ano com 10 vitórias em 15 clássicos cariocas disputados
A volta dos que não foram: IGOR JULIÃO
A ida dos que não ficaram: NATHAN RIBEIRO e LUAN PERES
Uma perda sentida: na quarta-feira passada faleceu, aos 54 anos, o meu amigo Paulo Cesar Nântua, um tricolor fanático, cujo coração enfartou provavelmente de tanto desgosto com esse atual Fluminense. Descanse em Paz, e continue acompanhando o nosso Fluminense de outra dimensão, Amigo!
Cadê você, cadê você?: 38 jogos do Brasileirão sem sequer um pênalti marcado a nosso favor, sendo que pelo menos cinco foram claros. Melhor assim. Imaginem se o Junior Dutra pega a bola para bater…
O problema mala do ano inteiro, e que resume a administração Abad: Salários atrasados
Uma lambança das grandes: Entrar o ano com 7 jogadores dispensados com contrato em vigor, um deles inclusive no Departamento Médico (Marquinho), sendo certo que depois iriam todos entrar na Justiça e ferrar o Fluminense. Alguns conseguiram acordos no curso do processo, mas o clube deu calote e o preju vai ficar bem pior.  Gestão temerária é pouco…
Uma revelia que envergonha: No curso do processo de Reclamação Trabalhista de Levir Culpi, o Flu não enviou advogado para a audiência. Os efeitos da revelia neste caso é que o Reclamado concorda com TODOS os pedidos do Reclamante, sem nem mesmo tentar um acordo.  Por interesse do Levir conseguiu fazer um acordo depois. Gestão temerária é pouco…
Vergonha patrimonial: o Bar dos Guerreiros, fechado desde março, e os ladrilhos estraçalhados da piscina
Momento UFC: As reuniões do Conselho Deliberativo do clube
Um modelo de gestão que vai acabar afundando o clube: Flusócio
A musiquinha que temos saudade: “Ô… O Campeão voltou… O campeão voltou…”
A musiquinha que mais cantamos: “Ê… Vamos virar Nense… Vamos virar Nense…”
O corinho que mais gritamos: “Hei, Abad, vai tomar suco de abacate…”
O que eu grito sem parar, por mais que os fatos queiram me contrariar, porque meu coração tricolor pulsa em verde, branco e grená: O IMPORTANTE É O SEGUINTE: SÓ DÁ NENSE!!!
Por PAULONENSE / Explosão Tricolor

PUBLICIDADE