Uma zona!




Foto: Vinicius Toledo / Explosão Tricolor



São quase oito anos trabalhando na cobertura do Fluminense. De 2014 a 2019, me sacrifiquei bastante. Noites e mais noites acompanhando reuniões do Conselho Deliberativo no Salão Nobre, eventos de grupos políticos, etc… Foi um sacrifício, em especial, na questão familiar. Mas era necessário, afinal de contas, escolhi esse caminho e, consequentemente, criei uma obrigação comigo mesmo de conhecer a estrutura a fundo. Resumindo: ralei. O Explosão Tricolor não cresceu do sofá de casa. Foi na base da luta, muita disposição e, principalmente, comprometimento com a torcida.

De uns tempos pra cá, falar do Fluminense virou um desafio ainda maior, uma espécie de campo minado. Na última quarta-feira, o time sofreu uma derrota humilhante para o Junior Barranquilla. Qualquer torcedor que tem vergonha na cara ficou puto da vida.

O Fluminense foi campeão carioca, mas boa parte da torcida sabe que essa conquista não pode esconder os problemas no elenco. As laterais, por exemplo, estão terríveis. E aí, é impossível não falar do Cris Silva. Não é perseguição, conforme a turma de “lambe-bolas” da gestão me acusou no Twitter. É pelos R$ 9 milhões que o Fluminense se comprometeu a pagar. Obviamente, o jogador tem que ser cobrado. Quando contratado, o presidente comprou o barulho e encheu a boca para falar que era um atleta que estava atuando no futebol europeu. Realmente, a Moldávia fica na Europa, mas… deixa pra lá, mas essa situação chega a ser risível! Eu vivi até aqui para ver tricolor fã do Cris Silva, meu Deus!

É claro que a culpa de tudo não é do Cris Silva. O presidente Mário Bittencourt é o cara da caneta. O Fluminense foi campeão carioca, fiquei feliz e muito emocionado, ainda mais depois de tudo que passei no início do ano, mas o restante da temporada será pesada. Encarar três frentes com o atual elenco é missão impossível. Com jogos de três em três dias, o Abel Braga tem que rodar o grupo. No entanto, vários jogadores sequer são utilizados.

O Caio Paulista, que custou R$ 8 milhões, não é nem relacionado. Já perderam a convicção no jogador? Se não serve, fica a pergunta: quem pagará essa conta? Nathan nunca teve uma sequência mesmo com o Fluminense tendo desembolsado R$ 1 milhão pelo empréstimo e pagando um salário elevado. Situação difícil de entender… Luiz Henrique vai sair em julho. O pessoal até comenta sobre o retorno do Michel Araújo, mas ele já manifestou vontade de permanecer nos Emirados Árabes.

Vamos ver como essa história terminará, mas o sinal de alerta está ligadíssimo. Acho que o atual elenco do Fluminense disputa com dignidade o Campeonato Brasileiro, mas sem estar em outras frentes. Aí acredito que dê para buscar o G-6.

No restante, seguirei a minha caminhada aqui no Explosão Tricolor sem jamais recuar e caminhando pelos “campos minados” sem medo de ser feliz.

Por hoje é só.

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE