Vasco pode pegar 2 anos de gancho na CBF




Recentemente, houve uma polêmica em que o Paulo Vitor, jogador da base, trocou o Fluminense pelo Vasco sem uma negociação em que houvesse acordo. Após o ocorrido, iniciou-se um boicote ao Vasco por parte dos clubes da série A e hoje pode tomar novas proporções.

A norma de conduta da entidade, anunciada pelo presidente eleito Marco Polo Del Nero e aprovada por aclamação no dia 28 de julho de 2014, determina que “a cessão ou transferência de atleta não profissional devidamente inscrito no BID depende da prévia e expressa anuência da associação pela qual se acha inscrito”. No caso, o Fluminense não deu a anuência e o meia foi inscrito na Ferj e na CBF.

Caso a CBF entenda como aliciamento, a norma determina que a penalidade é a “proibição, pelo prazo de até dois anos, de participação em qualquer competição de atletas amadores”.

Em entrevista à Rádio Bradesco Esportes publicada na semana passada, o gerente da base do clube, Isaías Tinoco, negou que o jogador tenha sido aliciado e que o clube tenha sido notificado pelo boicote.

– Não existe boicote, porque até hoje mesmo conversei com um membro da competição e perguntei quais os clubes que estão boicotando e eu disse que desafio a esses clubes falarem que estão boicotando o Vasco, mas todos disseram que respeitam a posição do Vasco porque sabem que o atleta estava há seis meses sem receber ajuda de custo do clube e o atleta foi quem procurou o Vasco. O Vasco não aliciou ninguém. – disse.

Por Explosão Tricolor / Fonte:GloboEsporte / Foto: Divulgação

PUBLICIDADE