A novela Richarlison




Foto: Fluminense

Em primeiro lugar, força Abel! Imagino a dor que o treinador tricolor está sentindo neste momento. Não consigo dimensionar o tamanho da perda, apenas o sofrimento que ela trouxe. Que Deus conforte o coração da família e do nosso treinador em especial!

O assunto do momento no time, porém, é a venda de Richarlison para o modesto Watford da Inglaterra. O valor da negociação foi de 12,5 milhões de euros (cerca de R$ 46,2 milhões), sendo que o clube terá direito a 10% em caso de futura venda.

Essa notícia, se não surpreende pela negociação, surpreende pelo destino do atleta, motivo pelo qual resolvi fazer um levantamento sobre as propostas que o Tricolor recebeu para vender a jovem promessa.

No início do ano, logo em janeiro, enquanto ainda disputava o Sul-Americano sub 20, o Ajax da Holanda ofereceu 9 milhões de euros (cerca de R$ 30 milhões na época) para contar com o ex-atleta tricolor. A oferta foi recusada.

O mesmo Ajax, porém, pagou 15 milhões de euros, ou R$ 50,7 milhões, pelo jogador David Neres, que era do São Paulo. O detalhe é que o jogador também disputava o Sul-Americano sub 20 e era a segunda opção do time, atrás exatamente de Richarlison. Ou seja, por falta de habilidade da nossa diretoria ao tratar o Fluminense como clube pequeno, a oferta foi bem menor por um jogador melhor e que era a primeira opção do clube holandês. Inacreditável!

Após, a oferta mais polêmica até aqui. O Palmeiras ofereceu cerca 11 milhões de euros (cerca de R$ 40 milhões) para contar com o futebol do jogador. Após muito disse-me-disse, o Fluminense acabou rejeitando a proposta. Na época, além de achar que o valor era baixo, contou o fato de que o time paulista disputa os mesmos torneios que o Tricolor.

Não satisfeito com a negativa, o Palmeiras ofereceu mais: o mesmo valor mais dois atletas a serem selecionados por Abel Braga em uma lista com quatro nomes, onde se especulava até mesmo Róger Guedes, hoje figura fácil no time titular de Cuca. Se ele jogasse no Fluminense o que vem jogando atualmente no time verde de São Paulo, poderia se destacar e render muito aos cofres do clube. Entretanto, novamente a proposta foi recusada.

Nesta nova janela europeia, o Ajax veio à tona novamente. Não sei se pela inabilidade em negociar dos nossos dirigentes, o time holandês mais uma vez não fez uma proposta que chegasse perto àquela que concretizou a aquisição de David Neres. Segundo as informações da repórter Gabriela Moreira, da ESPN, o Ajax ofereceu 12 milhões de euros (R$ 44 milhões) pelo atleta. Ou seja, um milhão de euros a mais do que ofertou o Palmeiras, mas sem qualquer jogador em troca.

De alguma forma, essa negociação também não foi adiante e, neste intervalo, chegou o Watford, da Inglaterra. O clube inglês, sem muito alarde, levou o jogador por 12,5 milhões de euros, algo em torno de R$ 46 milhões. Além disso, o Tricolor manteve 10% dos direitos do atleta em caso de futura venda.

Apesar do falatório geral criado em torno da negociação, lá pelas bandas da Inglaterra ela não teve muito impacto. Nem no próprio Watford. Conferindo o site oficial do clube, a contratação sequer é noticiada. Não sei o motivo, mas parece que a ida de Richarlison pra lá não está empolgando muito os torcedores da equipe, que fazem silêncio até mesmo no Twitter do clube.

Como todo tricolor, eu também não gostaria de ver o jogador disputando partidas por um time que ficou na 17ª colocação do último campeonato inglês. Richarlison tem potencial e certamente a ganância de seus empresários o fizeram ir para um clube sem qualquer expressão no seu país, quanto mais na Europa, diferentemente do Ajax.

Além dos empresários, a diretoria do Fluminense, mais uma vez, não teve a visão empresarial necessária. Os valores ofertados pelo clube holandês eram próximos àqueles que foram determinantes para o fechamento do acordo, mas o clube não considerou que o atleta poderia ser um ativo importante para a imagem Tricolor na Europa. Quanto mais jogadores se destacando nas melhores equipes do mundo, mais visibilidade o time ganha e, com isso, mas poder de barganha nas futuras negociações. A venda para o inexpressivo Watford, além de gerar para o atleta uma incerteza quanto ao seu futuro, ainda não agrega qualquer valor à marca Fluminense, em uma clara falta de visão do mercado da bola.

O desfecho do caso, pela reconhecida ineficiência da diretoria, mais uma vez não foi o melhor. Individualmente, porém, torço muito por Richarlison e espero que ele tenha sucesso no velho continente.

Ser Fluminense acima de tudo!

Toco y me voy:

  1. Abel Braga mostra muita força ao treinar o time nesta segunda-feira. Mesmo com a tristeza pela perda do filho, ele foi profissional ao extremo e ganhou ainda mais a torcida tricolor. Ele pode ter certeza que estamos todos com ele!
  1. Ainda espero que Robert tenha uma chance durante as partidas. Não é possível que o moleque esqueceu como joga futebol.
  1. Júlio César vem se firmando no time titular. A certeza da titularidade e a sequência de jogos podem levá-lo a um patamar ainda melhor.
  1. Wellington Silva retorna ao time. Espero que a frustração do passeio europeu não lhe tire o ímpeto de atuar no Brasileirão.
  1. Pelo menos uma bola dentro! Com o dinheiro da venda de Richarlison, a diretoria pretende acertar as dívidas que possui com o elenco. Realmente, ninguém trabalha sem receber. Tomara que não tenha problemas com atrasos novamente. 

PUBLICIDADE