Apenas um retrato fiel da gestão de futebol




Caio Paulista e Felippe Cardoso (Foto: Mailson Santana / Fluminense F.C.)

Confesso que não tem sido nada fácil publicar texto sobre o Fluminense. Primeiramente, se você critica o time, logo te acusam de estar torcendo contra. Isso se não aparecer dirigente dizendo que quem nunca deu dois treinos na vida, não pode opinar… Agora, se você critica a diretoria, a acusação é a de estar fazendo parte da política do clube. Pois é…

Diante de toda essa espécie de “Santa Inquisição“, sigo encarando a provação que é a de torcer para o atual Fluminense. Sim, torcer para esse Fluminense da “Era Bitconiana” virou uma espécie de provação. Diria que daquelas bem espinhosas. Assim como não é nada fácil acompanhar esse bando comandado pelo Marcão e montado pela dupla Mário Bittencourt/Paulo Angioni.

O que foi a atuação do Fluminense na vitória sobre o Sport? Um show de horrores! Para piorar, a turma do Premiere fez questão de abrir bem o som dos gritos do Marcão a beira do campo, ou seja, uma grande tortura de “Boa”, “Dá ritmo”, “Organiza”, etc…

O desempenho tricolor beirou o ridículo. Mais uma vez, o Danilo Barcelos foi bagunçado pelo lado direito adversário. No setor de criação, a pobreza parece ter virado algo obrigatório. Quanta tortura! E ainda dei graças a Deus do Luccas Claro ter evitado um gol certo dos caras.

Sobre a expulsão do Júnior Tavares, achei injusta., mas aí não é problema nosso.

Por sorte, o poderoso “gol cagado”, que a torcida tanto pede quando a coisa está feia, deu as caras no Engenhão. Da forma que foi o lance do gol de Lucca, dá para acreditar de verdade que alguém lá de cima olha pelo Fluminense.

Mesmo com um jogador a mais e a vantagem no placar, o futebol tricolor seguiu muito pobre. E o Sport deu uma pressionada com direito a bola no travessão e tudo. Nos minutos finais, a rapaziada comandada pelo Marcão “lutou até o fim” para segurar a vitória…

Tudo bem, no final das contas, futebol é bola na rede, mas o conjunto da obra apresentada pelo Fluminense diante do Sport foi apenas um retrato fiel da gestão de futebol, ou seja…

Curtinhas

– Qual motivo da insistência com o Felippe Cardoso já que ele não permanecerá no Fluminense após o final do mês que vem?

– É sério que a diretoria ainda segue analisando as situações de Hudson e Caio Paulista?

– Fernando Pacheco está em baixa mesmo, pois não recebe uma chance sequer.

– Danilo Barcelos por dois anos e meio, Egídio até o final de 2021… quem pagará essa conta?

– Terceira vitória no Brasileirão garantida com gol contra…

Forte abraço!

Vinicius Toledo

PUBLICIDADE