Bola pra frente, mas fica a pergunta: “Até quando?”




Foto: Vinicius Toledo / Explosão Tricolor



Serei bem franco: esperava, no máximo, um pontos nos jogos contra o São Paulo e o Internacional. No entanto, o Fluminense conseguiu três pontos. Sendo assim, na minha visão, dá até para considerar que ficamos no lucro.

Sobre o jogo no Beira-Rio, considerando as já conhecidas limitações, não achei a atuação ruim. Nada que enchesse os olhos, mas longe de ser um show de horrores. Entretanto, o Gilberto, sempre ele, segue absoluto com a coroa de “Rei dos Perebas”. Não é possível que o Marcão não pense até em improvisar o Pablo Dyego. Manter o camisa dois como titular absoluto é sacanagem.

O Fluminense controlou bem o jogo, inclusive, o sistema defensivo bloqueou diversas ações ofensivas coloradas. Sendo assim, os gaúchos ameaçavam apenas com chutes de longa distância. No ataque, duas boas chances com o Yony González e Nenê, mas o Marcelo Lomba fez excelentes defesas.

A impressão que passou é a de que o Fluminense conseguiria cozinhar o Internacional até achar uma brecha para abrir o marcador. No entanto, uma falha individual mudou a história do jogo. Quero deixar registrado que o Muriel garantiu importantes vitórias neste Brasileirão, mas verdade seja dita: o goleirão falhou feio no primeiro gol colorado. Para piorar, também falhou no segundo gol, que, diga-se de passagem, foi irregular.

Por falar no segundo gol do Internacional, a validação dele foi um escárnio. Porém, o que me deixa realmente desanimado é a passividade da diretoria do Fluminense. Infelizmente, os dirigentes tricolores aceitam tudo. Até quando, presidente Mário Bittencourt?

No segundo tempo, o Fluminense deu uma adiantada na marcação e buscou diminuir o prejuízo. A rapaziada até conseguiu um sinal de vida com um golaço do Wellington Nem, mas não teve força e, principalmente, qualidade para empatar.

Derrota doída, pois ficou a sensação de que daria para sair com pelo menos um empate. Bola pra frente e foco total no jogo contra o Atlético-MG. No próximo sábado é vencer ou vencer. Ou seja, não dá para vacilar como nos jogos contra a Chapecoense e Vasco da Gama. O apoio da torcida será fundamental.

Curtinhas:

Barração do Ganso

A declaração do Marcão antes do início do jogo deixou bem claro que o Ganso não foi escalado por questões físicas. Portanto, nem me atrevo a questionar.

Se não serve para substituir o Gilberto…

Se o Igor Julião não serve para substituir o terrível Gilberto, como é que ele teve contrato renovado por mais dois anos?

Ruim de aturar!

Tirando um perigoso chute, Nenê, que substituiu o Ganso, errou passes, matou contra-ataques, etc… Tá ruim de aturá-lo!

Lucão?

Alô, Marcão! Lucão é sacanagem!

Falta de visão

Uma promoção geral para o jogo contra o Atlético-MG seira bem-vinda, mas a diretoria limitou somente aos sócios. Bola fora! Querer angariar sócios no penúltimo mês do ano e com o time brigando ferrenhamente contra o rebaixamento é de uma tremenda falta de visão.

Forte abraço e ST!

Vinicius Toledo  

Live pós-jogo no Facebook



PUBLICIDADE