Cavada para 2022?




Eduardo Barroca (Foto: Reprodução)



O Fluminense segue sob o comando técnico do Marcão para a reta final do Campeonato Brasileiro, porém, a diretoria tricolor ainda não sabe se ele permanecerá no cargo ou se um novo nome será contratado para 2022.

Especulado em algumas ocasiões anteriores, Eduardo Barroca concedeu entrevista ao canal do jornalista Rica Perrone. Durante o programa “Cara a Tapa“, o técnico rasgou elogios ao diretor de futebol do Fluminense, Paulo Angioni, com quem trabalhou no Bahia.

– A pessoa que mais me ensinou sobre futebol foi o Paulo Angioni, que hoje é diretor executivo no Fluminense. Não só sobre futebol, mas sobre a vida. Foi quem mais me ensinou sobre a vida no futebol. Quando eu estava iniciando, ele me pegou, me deu oportunidade e me mostrou qual era o lado do clube nas ações que o treinador geralmente tem a visão só de um lado. Ele conseguiu me mostrar isso. Foi uma experiência espetacular. Eu estava no Corinthians, trabalhava na base, e depois fui para o Bahia para ser auxiliar técnico do Rogério Lourenço. Cheguei lá e um mês depois o trabalho não deu certo. O Paulo (Angioni) foi na minha casa depois de uma derrota no clássico para o Vitória, conversou comigo e com o Lourenço e encerrou o trabalho. Eu agradeci, mas ele falou: “Não, você vai ficar. Quero que você fique para me ajudar”. Eu falei: “Não. Eu vim com o Rogério e vou embora junto com ele”. Mas o Rogério tem o Paulo como um pai, ele o ajudou muito na época que era jogador. Ele (Rogério) me pediu e acabou que eu não só fiquei, mas me tornei treinador no Bahia aos 28 anos. A partir daquele momento, o Paulo Angioni passou a me orientar, me explicar e me mostrar muita coisa. Esse cara foi muito especial na minha vida por ter me mostrado um ângulo que nenhum outro poderia me mostrar dentro do clube de futebol – disse Barroca.

Clique aqui e veja a lista com as últimas notícias do Fluzão!



Por Explosão Tricolor

E-mail para contato: explosao.tricolor@gmail.com

PUBLICIDADE