Chegou a hora de questionar




Foto: Lucas Merçon / Fluminense F.C.



Confesso que até hoje não engoli a eliminação na Copa Sul-Americana. Difícil aceitar, muito mesmo. O mínimo que grande parte da torcida esperava era chegar até às quartas de final para depois ver no que daria. Pois é, para completar o “combo de desgosto”, o Fluminense levou um sufoco do Moto Club na última quarta-feira.

A turma do “deixa o cara trabalhar” pede paciência, alega que está apenas no início e até ataca quem manifesta indignação. É mole? O Odair Hellmann está há dois meses à frente do comando técnico do Fluminense. É óbvio que não dá para exigir milagres. Porém, é tempo suficiente para colocar o time em condições de eliminar um Unión La Calera da vida e não passar sufoco para o Moto Club.

É de impressionar que parte da torcida tricolor tenha perdido o senso crítico e, principalmente, a noção da grandeza do Fluminense. O sentimento de indignação não existe mais. Estou vendo que chegará o momento que parte da arquibancada cantará “Iiiiii, o importante é competir”.

A atual gestão está para completar nove meses à frente do comando do clube. Na minha visão, ela não pode reclamar de qualquer tipo de pressão externa. Primeiramente, a oposição política do clube não existe. Segundo, a maioria absoluta da torcida entendeu o momento delicado do clube e comprou o barulho do discurso dado pelo presidente Mário Bittencourt. No entanto, alguns questionamentos já são mais do que necessários.

Como é que ficou o mapeamento de custos de todas as áreas do clube? Qual o custo dos Esportes Olímpicos? E a receita? Tira ou não tira dinheiro do futebol?

O custo mensal do BackOffice, que, em 2018, era de R$ 1,9 milhão, mas que passou para R$ 3,7 milhões mensais em 2019, aumentou ou diminuiu? Qual a justificativa para um aumento de quase 100% de um ano para o outro? A gestão não realizará um plano de reestruturação para profissionalizar as áreas do clube? 

Quais são as metas das áreas, em especial, da Área Comercial, que engloba o Marketing?

Não será realizada uma profunda auditoria nas contas dos últimos anos?

Isso para não falar sobre o Portal da Transparência, em especial, na parte que informa os valores da operação realizada no Maracanã. Essa deixarei para outro dia…

Já passou da hora da torcida iniciar o debate sobre o Fluminense da “Era Bittencourt”. De forma responsável, justa e construtiva, mas é necessário. Fala-se muito em processo de reconstrução, mas a transparência segue quase zero.

Personagens folclóricos, camaradagem, forçada construção de imagem e outras situações fantasiosas criadas para iludir a massa possuem prazo de validade. A história do mundo mostra isso. E no futebol não é diferente…

No restante, é torcer para que as “Águas de Março” tragam muitas vitórias a partir deste domingo.

Forte abraço e ST

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE