Derrota para o Internacional, momento ruim do Fluminense, possibilidade de priorizar alguma competição e muito mais: leia a entrevista coletiva de Abel Braga




Abel Braga (Foto: Mailson Santana / Fluminense F.C.)



Abel Braga concedeu entrevista coletiva no Maracanã

O técnico Abel Braga concedeu entrevista coletiva após a derrota do Fluminense por 1 a 0 para o Internacional, na noite deste sábado (23), no Maracanã, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. Confira abaixo todas as respostas do treinador:

Derrota para o Internacional

“Nós tentamos jogar, mas não conseguimos. O jogo merecia terminar empatado? Acho que sim. Número de chances foi quase nenhuma para eles e para nós. Tivemos uma com Cano, Calegari, mas não conseguimos conter. Até a chegada no último terço, nosso setor defensivo estava suportando. Nós não conseguimos marcar a transição, quando roubavam a bola. Não vou cair na tecla do cansaço. Mais uma vez perdi jogador com poucos minutos. André acabou ficando, Martinelli não conseguia mais. Às vezes o torcedor aplaude com derrota. Hoje não podiam aplaudir. Tentamos tudo que podíamos, mas não foi possível.”

Momento ruim do Fluminense

“Depois da conquista do Carioca, já são quatro jogos em que nós estamos devendo. Temos consciência disso, temos que colocar a mão na consciência, todos nós. Eu em primeiro lugar, porque sou eu que escalo. Está pouco.”

Titularidade de Marlon

“Se você lembra, em 2017 ou 2018, eu pedi a contratação do Marlon depois de um jogo da Copa do Brasil. Aliás, não era só ele naquele time do Criciúma, tinha uns dois ou três jogadores que me interessaram. Eu confio plenamente nele. Quando cheguei, o que se falava era que a possibilidade de sair era grande, sempre clubes interessados nele. E nós tínhamos quatro laterais. Dois jogadores foram contratados agora, procurei dar chances, ajudar. O Marlon me entrou num momento difícil, num jogo difícil, e foi bem a nível de ficar com mental muito forte no jogo. Coloquei, tomara que ele se sinta bem. Provavelmente vai ser escalado de novo na terça.”

Maratona de jogos 

“Está desumano. Hoje eu vi um meio tempo do jogo do Bragantino contra o São Paulo. Sete ou oito reservas no Bragantino. É um clube que está estruturado para caramba, mas ainda não tem uma camisa de um Palmeiras, de um Corinthians, de um Flamengo, um Fluminense. Entrou com oito reservas. Por quê? É porque tem alguma coisa nessa semana que eles necessitam ganhar. Se eu soubesse que não ia ganhar o jogo hoje, eu tinha poupado. Porque terça-feira tenho que ganhar também, entendeu? E agora?

O negócio está brabo. Em seis dias, três jogos, três noites de sono perdidas viajando. Mas viajando de madrugada, saindo 4h da manhã para chegar 10h. Está complicado, mas está desumano para todo mundo.”

Manutenção do esquema com três zagueiros 

“Não vou abdicar dos três centrais, fomos campeões cariocas dessa maneira. Ficamos nove jogos sem sofrer gols. Não é por questão de esquema, não. Acho que no momento temos que ter consciência que devemos produção, não estamos tendo vibração, ser aquele time leve… Está faltando alguma coisa, vou tentar descobrir. Terça-feira é jogo contra time argentino, sabemos que é pegado. tem jogadores que vem numa sequência enorme, casos do Nino, do André. Vamos rever alguma coisa – afirmou ele, que se esquivou sobre o questionamento sobre o Fluminense ter elenco para jogar três competições.”

Possibilidade de priorizar alguma competição

“Nós já conversamos, até agora não chegamos a um denominador. Não tem controvérsia, o que tem é que estamos tentando sempre colocar o que é melhor para a equipe. E vai continuar assim, a não quer que chegue: “Olha, a prioridade agora é isso”. Eu, a cada jogo, escalando certo ou errado, estou colocando aquilo que eu sinto. Com certeza, depois desse jogo, vão chegar para mim: “Esse, esse e esse não põe”. E não vou pôr, vamos ver se tenta alguma coisa diferente. Vamos jogar contra um time relativamente novo, mexe muito, muito forte. Temos que entrar preparados, vamos ver o que vai dar.”

Necessidade de reforços?

“Sobre ter ou não ter (elenco), não vou comprometer aquilo que o clube tem como capacidade ou não, não sou eu que administra o clube. O Fluminense está com esse plantel, é aí que vocês têm que analisar se dá ou não dá.”

Aplausos da torcida do Internacional

“Isso é só gratidão. A mesma gratidão que eu tenho do Inter eu tenho do Fluminense, por ser Fluminense de coração. Tudo que consegui no futebol até hoje foi nesses dois clubes. Não falo em questão financeira, falo em títulos, falo em relação humana, amigos que fiz.”

Clique aqui e veja a lista com as últimas notícias do Fluzão!



Por Explosão Tricolor

E-mail para contato: explosao.tricolor@gmail.com

PUBLICIDADE