O processo de endemonização da torcida do Fluminense




Foto: Vinicius Toledo / Explosão Tricolor



Infelizmente, a humanidade vive tempos difíceis. E não é só por causa da trágica pandemia. A intolerância, por exemplo, é algo que vem crescendo cada vez mais. Aqui no Brasil então… Porém, o pior mesmo é a tentativa de querer censurar a massa.

No caso do Fluminense, isso fica escancarado nas redes sociais e até em matérias alfinetando as críticas da torcida. Em algumas delas, sabe-se lá os motivos, “pereba” vira injustiçado e o torcedor representa a cruel “Santa Inquisição” da era moderna. Pois é, dirigentes e jogadores viraram uma espécie de santidade. Já o torcedor virou o grande vilão por conta de críticas e questionamentos. Não dá para aceitar esse tipo de situação que estão forçando de forma, aparentemente, orquestrada.

Que os dirigentes fazem o que bem entendem, ou seja, não estão nem aí para a torcida, isso todo mundo já sabe há tempos. No entanto, endemonizar a torcida é algo inaceitável. A coisa é tão absurda, que criaram até um divisionismo entre “verdadeiros” e “falsos” tricolores. Surreal! E o pior é que parte da massa cai nessa pilha.

O torcedor não pode cair nessas armadilhas que visam atender diversos tipos de interesses. Criticar também é uma forma de apoiar. É evidente que alguns passam do ponto. Uns pela natural emoção, outros por “n” interesses. E isso também deve ser filtrado pela massa. Porém, o senso crítico tem que existir sempre.

Apoiar é de extrema importância, mas sem jamais deixar de cobrar o que realmente necessita ser cobrado ou será que já esqueceram que o Fluminense é um gigante do futebol mundial?

Só para não passar batido, quando é que a diretoria vai apresentar contratações de verdade para a disputa da Copa Libertadores?

Forte abraço e ST

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE