Sem tapar o sol com a peneira




Egídio (Foto: Lucas Merçon / Fluminense F.C.)



Que joguinho pavoroso, hein! De um lado, o arrumadinho Atlético-GO, que se defendeu bem, mas que praticamente não ameaçou. Do outro, um Fluminense fadigado, desarrumado e sem uma referência no comando do ataque.

No primeiro tempo, uma chance para cada lado. E olhe lá. Com o Nenê pouco inspirado, Wellington Silva errando tudo e Michel Araújo sem intensidade, o garoto Luiz Henrique lutou sozinho lá na frente. Muito pouco para quem tem como meta mínima chegar às quartas de final da Copa do Brasil para o cumprimento de parte da meta estipulada no Orçamento de 2020.

Na segunda etapa, o Odair Hellmann até tentou melhorar a pobreza no setor de criação. Achei válido apostar no Ganso e Miguel. Era o que tinha. Porém, melhorou só um pouquinho. Ou seja, longe do ideal. Mas é válido considerar que a falta de uma referência no comando de ataque dificulta a vida dos meias e também dos laterais.

A partida estava tão ruim, que até o Sobrenatural de Almeida deu uma cochilada. E foi nesse cochilo, que o Gravatinha entrou em ação para salvar o Fluminense, pois quando tudo parecia perdido, surgiu um contra bizarro do Atlético-GO. Dá-lhe, Gravatinha! Alguém ainda duvida da força do nosso herói criado pelo eterno Nelson Rodrigues?

Com base no que rolou durante os noventa minutos, o empate sem gols seria o resultado mais justo, pois o Atlético-GO não ameaçou. Não seria exagero algum afirmar que o Muriel sequer sujou o uniforme.

Felizmente, a vitória caiu no colo do Fluminense. Legal, conseguiu a vantagem do empate para a partida de volta. Porém, não dá para tapar o sol com a peneira, ou seja, se quiser avançar às oitavas de final, o Tricolor terá que jogar bola de verdade, caso contrário, correrá um sério risco de dançar precocemente na Copa do Brasil.  

Curtinhas:

– Mesmo improvisado, o garoto Luiz Henrique batalhou o tempo todo. É claro que precisa desenvolver alguns fundamentos e, principalmente, ganhar casca, mas já mostrou que tem personalidade e muita vontade.

– Dodi e Michel Araújo perderam a intensidade. Já passou da hora de poupá-los. O uruguaio nem tem pisado mais na área adversária…

– Rodar o elenco é necessário!

– Vídeo da Live pós-jogo (veja abaixo)

Forte abraço e ST!

Vinicius Toledo

PUBLICIDADE