Simbiose em três cores, Fred e o Fluminense




Fred (Foto: Lucas Merçon / Fluminense F.C.)



Salve, aristocrática torcida tricolor! 

“A simbiose pode ser definida como uma associação a longo prazo entre dois organismos de espécies diferentes seja essa relação benéfica para ambos os indivíduos envolvidos ou não”. Não, o colunista não tem a menor pretensão de lecionar Biologia, apenas recorri à simbiose como paralelo para explicar a relação entre o Fluminense Football Club e Frederico Chaves Guedes, o popular Fred.

No futebol moderno de relações curtas, frias e mercantis, naturalizou-se o não apego entre clubes e jogadores, o que nas décadas anteriores era padrão, a permanência de um jogador por anos, hoje se tornou quase uma utopia, uma visão romântica e obsoleta do esporte. Entretanto, os grandes personagens podem quebrar esse paradigma, como é o caso de Fred. Atacante promissor surgido no América Mineiro no início dos anos 2000, logo se transferiu para o Cruzeiro e, mais tarde, Lyon da França. Tudo muito rápido.

Mas foi a partir da sua chegada ao Fluminense em 2009 que sua carreira se estabelece. Inserido em um contexto de grande aporte financeiro, logo se torna líder de elencos caros e competitivos, o que lhe daria condições de brilhar e se posicionar entre os maiores artilheiros da história recente do futebol brasileiro. No Flu, tudo aqui. Por questões econômicas e políticas, Fred deixa o clube em 2016, e é aí que entra, mais uma vez, a tal simbiose. Rodou por Atlético e Cruzeiro com alguns lampejos e algumas polêmicas, mas sem o brilho de quando veste a armadura tricolor, que lhe cai como uma luva, parece que nasceu para vesti-la.

De volta ao Flu em 2020, já veterano, imaginava-se uma passagem apenas de despedida, sem o destaque de outros tempos…. Eis que ao colocar as três cores no peito, a simbiose, quase que como um feitiço de desenho dos anos 1980, transforma aquele jovem senhor de 37 anos naquele Fred de 2009, artilheiro, líder, decisivo e cada vez mais próximo da eternidade. Viva Fred, viva o Flu!

Vitor Costa

PS.: “Óbvio Ululante” volta na próxima coluna.



Grupo D – Copa Libertadores (ative a rotação automática do celular para ver a tabela completa)

TIMES P J V E D GP GC SG %
1 River Plate River Plate 1 1 0 1 0 1 1 0 33
2 Independiente Santa Fe Ind. Santa Fe 1 1 0 1 0 1 1 0 33
3 Fluminense Fluminense 1 1 0 1 0 1 1 0 33
4 Junior Barranquilla Jr. Barranquilla 1 1 0 1 0 1 1 0 33

Agenda tricolor na Copa Libertadores 2021

1ª rodada

22/04 – Quinta-feira – 19h – Fluminense 1 x 1 River Plate – Maracanã – Rio de Janeiro (RJ)

2ª rodada

28/04 – Quarta-feira – 21h – Independiente Santa Fé x Fluminense – Estádio Centenário de Armênia – Armênia (COL)

3ª rodada

06/05 – Quinta-feira – 19h – Junior Barranquilla x Fluminense – Estádio Romelio Martínez – Barranquilla (COL)

4ª rodada

12/05 – Quarta-feira  – 21h – Fluminense x Independiente Santa Fé – Maracanã – Rio de Janeiro (RJ)

5ª rodada

18/05 – Terça-feira  – 21h30 – Fluminense x Junior Barranquilla – Maracanã – Rio de Janeiro (RJ)

6ª rodada

25/05 – Terça-feira  – 19h15 – River Plate x Fluminense – Estádio Monumental de Núñez – Buenos Aires (ARG)

PUBLICIDADE