ESTATÍSTICA: Análise dos dez primeiros jogos da temporada em números




Amigos Tricolores,

O time do Fluminense completou os primeiros dez jogos da temporada 2015. Os números refletem uma irregularidade, bastante natural para um time em formação, depois de tantas mudanças decorrentes da turbulenta transição ocorrida na virada do ano, envolvendo inclusive a mudança de patrocinador.

Foram muitas saídas importantes, a renovação de alguns craques, lançamento de vários jogadores da base no time profissional, retorno de jogadores emprestados e contratação de novos jogadores.

Muito normal, portanto, uma instabilidade técnica nas apresentações da equipe. Vamos aos números, e à análise dos mesmos.

Em dez jogos tivemos 6 vitórias e 4 derrotas. Nenhum empate! 18 gols pró e 13 gols contra. 60% de aproveitamento e um placar médio de  Flu 1,8 x 1,3 Adversário. Placar total do primeiro tempo: 6 x 4 , e do segundo tempo: 12 x 9.

Foram aproveitados na temporada até agora 33 jogadores.

Os números começaram prejudicados pela infeliz (previsível!) participação na Florida Cup, quando jogamos contra dois times alemães em meio de temporada, quando o Fluminense tinha apenas uma semana de treinamento de pré-temporada. Só ali foram duas derrotas, por 3 x 0 e 3 x 2, e a lanterna no torneio. E 11 substituições por jogo, ou seja, toda a equipe era trocada no intervalo, e o time do segundo tempo, reserva, mostrou pouca qualidade para sustentar o placar.

Os artilheiros da temporada são:

FRED – 6 gols

JEAN – 3 gols

EDSON, WALTER, VINICIUS, GIOVANNI, ROBERT, LUCAS GOMES, WELLINGTON SILVA, KENEDY e GERSON – 1 gol cada

Os 18 gols foram marcados principalmente de dentro da grande área, apenas um foi de fora: Walter, que acertou belo chute da intermediária, contra o Colonia. Só dois de cabeça: Edson (Colonia) e Fred (Nova Iguaçu). Um pênalti convertido (Friburguense) e um sofrido (Vasco).

A lamentar destacamos que fizemos pouquíssimos gols provenientes da jogada mais perigosa do futebol moderno: as bolas paradas. Detectamos aí uma grande carência no atual time tricolor. Parece que, com a saída do Conca, não temos aquele jogador que bate as faltas indiretas e os escanteios com perigo. Tanto que nosso único gol de falta indireta foi em cobrança de Conca, justo em um dos seus dois últimos jogos, na Florida Cup. Ele cruzou na área e o Edson aproveitou bem, cabeceando para a meta. Fora isso só tivemos um gol de pênalti, marcado pelo Fred. E de falta direta nada de útil foi mostrado, parece que não temos cobradores no elenco, nem jogadas ensaiadas produtivas.

Goleiros vazados:

Diego Cavalieri – 9 gols em 10 jogos

Klever – 2 gols em 1 jogo (um tempo de 45)

Júlio César – 2 gols em 1 jogo (um tempo de 45)

No aspecto disciplinar foram 22 cartões amarelos e uma expulsão, do Rafinha. Relação dos amarelados:

Na Florida Cup: Marlone, Edson e Lucas Gomes

No Estadual:

Edson, Henrique – 3

Victor Oliveira, Fred, Wagner e Giovanni – 2

Jean, Vinicius, Wellington Silva, Robert e Luiz Fernando – 1

Para finalizar e resumir tamanha irregularidade, podemos destacar que o momento é bom. Se após o oitavo jogo (contra o Vasco) podíamos dizer que o time pouca coisa apresentava de útil na temporada, depois do décimo jogo (contra o Botafogo) o momento é de otimismo, pois pela primeira vez no ano tivemos uma atuação convincente, com alguma coisa de produtiva em termos de padrão de jogo e uma escalação mais concisa e inteligente.

E se a defesa ainda não foi bem no ano, podemos nos animar com a iminente volta de Gum, que deverá ser titular junto com o Marlon, que só foi estrear na temporada no último jogo, e por sinal nossa grande revelação de Xerém de 2014 não esteve muito segura, o que é normal para zagueiro que vem sem ritmo.

Estabilizando-se e ganhando ritmo, a zaga tende a melhorar, assim como o Wagner deverá recuperar sua melhor forma, ele que esteve vários jogos fora, por contusão.

Das novas contratações parece que o único que tende a segurar uma titularidade é o Giovanni, ainda bastante irregular, mesclando alguns momentos bons com algumas jogadas ruins.

Os demais contratados a princípio parece que irão compor o banco, sendo que o Vinicius atuou como titular em algumas oportunidades, saiu-se até bem, mas também teve momentos totalmente apagados. Parece que tem técnica, mas falta-lhe regularidade, consistência de jogo.

Guilherme Santos, lateral esquerdo, só atuou em dois tempos da Florida Cup, e pouco pôde mostrar. Lucas Gomes teve suas chances, até apresentou bons momentos, mas também não conseguiu se firmar. Marlone por enquanto decepcionou, e Victor Oliveira mostrou momentos de insegurança.

Dentre os retornos, Wellington Silva tem sido importante, ganhando a posição até o momento na disputa com Renato (logo se contundiu) e Igor Julião, um bom valor, mas que se desgastou ano retrasado ao ser escalado improvisado e torto na carente lateral esquerda daquele momento.

Cavalieri, Jean, Edson, Wagner e Fred são a espinha dorsal dos que ficaram, e parece que vêm cumprindo bem o papel.

Kenedy voltou ao time, tem importância por sua vontade e velocidade, mas a grande revelação vem sendo a joia da casa, com nome de craque: Gerson! Após estrear “no fogo”, entrando no time que já perdia e jogava mal contra o Vasco, jogou a segunda partida improvisado de volante contra o Resende e soltou-se mais e mostrou bom futebol contra o Botafogo. Mas não vamos exigir tanto, garotos oscilam quando são lançados no time de cima, o que ocorreu também com o Robert, a eterna joia que finalmente teve suas chances em 2015 e já mostrou algo positivo, até ter hepatite, mas já está retornando.

Enfim, Amigos Tricolores, dez jogos de muita irregularidade, mas a atuação de domingo passado foi a mais recente, e bastante perspectivante. Fico com ela para definir que o momento é bom,  que aquilo que vimos no domingo possa se tornar mais consistente, com correções de algumas falhas e evolução do que já foi bom.

Porque O IMPORTANTE É O SEGUINTE: SÓ DÁ NENSE!!!

Por PAULONENSE

16396406710_de422f24ec_z
O artilheiro tricolor começou o ano em boa forma.

 

PUBLICIDADE