Fred voltou a ser decisivo no Flu. E tem a ajuda do “salvador” de Ronaldo




Confira na íntegra, a matéria do jornalista Rodrigo Paradella com o fisioterapeuta do Fluminense, Nilton Petroni, o famoso Filé. Segue abaixo:

Quem acompanha o Fluminense desde o segundo semestre de 2014 não tem dúvidas: o camisa 9 Fred voltou a ser decisivo e fundamental para a equipe com muitos gols. Famoso por recuperar Ronaldo Fenômeno de uma séria lesão no joelho antes da Copa do Mundo de 2002, o fisioterapeuta Nilton Petroni, o Filé, tem grande participação nessa nova fase do capitão tricolor, que lutava contra lesões frequentes até sua chegada, no começo do ano passado.

Desde que Filé chegou ao Fluminense, em janeiro do ano passado, Fred voltou a ter condições frequente de jogo, bem diferente do que aconteceu em 2013, quando atuou em apenas 25 oportunidades. A ausência foi sentida e apontada como um dos motivos para a campanha que quase rebaixou o Tricolor no Brasileiro daquela temporada.

De janeiro de 2014 até aqui, mesmo tendo perdido compromissos para defender a seleção brasileira na Copa do Mundo, Fred atuou em 74% dos jogos do Fluminense (54 dos 73 disputados), contra apenas 36% em 2013 (25 de 69), ano em que sofreu lesões sérias. Para manter a média positiva recente, o capitão do time das Laranjeiras faz trabalho específico com Filé antes e depois de todos os treinos.

“O Fred tem um histórico interno de muita dedicação. Tudo que nós recomendamos para ele fazer, ele cumpre. Estou realizando aquilo que me foi proposto quando fui contratado: trabalhar. E fico feliz pelo Fred estar nessa sequência. Isso é muito mais mérito dele do que meu”, ressaltou Filé ao UOL Esporte.

“A última partida em que ele se lesionou foi em agosto de 2013 [vitória por 2 a 0 sobre o Santos, pelo Brasileiro]. Depois, ficou apenas mais uma partida sem jogar por motivos físicos, mas sem lesão [Flamengo 0 x 3 Fluminense em fevereiro de 2014, pelo Carioca]. Foi mais por precaução do que lesão propriamente dita”, lembrou o fisioterapeuta.

A evolução na parte física de Fred foi tão grande que o atacante chegou a dizer recentemente que se sente dependente do trabalho realizado por Filé. O fisioterapeuta admitiu ter sua participação no bom preparo do camisa 9, mas lembrou que o tratamento que realiza complementa outros departamentos da comissão técnica.

“[É dependente] em parte. Não é uma dependência total, mas ele tem a necessidade de manter a pelve equilibrada e sem tensões musculares. O trabalho sempre será complementado pela nutrição, fisiologia e preparação física”, destacou o profissional, que vê semelhanças no trabalho com Fred e outras estrelas do esporte, como Ronaldo Fenômeno, Romário e o tenista Gustavo Kuerten.

“É muito fácil trabalhar com eles, pois eles possuem um nível de compreensão maior e entendimento da necessidade e a importância do fisioterapeuta na vida profissional deles”, elogiou Nilton Petroni.

A importância do trabalho de Filé no Fluminense foi reconhecida pela diretoria no fim do ano passado, quando ele assinou sua renovação de contrato com o clube. Na ocasião, o acordo foi celebrado e anunciado pelos dirigentes como uma espécie de ‘reforço’ para 2015.

“Fico feliz [com o reconhecimento]. São 30 anos de experiência no futebol. Uma trajetória muito bacana. Posso afirmar que o Fluminense é a minha casa. Quero deixar um legado tanto aqui no futebol profissional como em Xerém, unindo o clube em uma única metodologia no departamento de fisioterapia”, projetou o profissional.

Tricolor assumido, o fisioterapeuta também não esconde a felicidade por trabalhar com um dos maiores ídolos do clube nas últimas décadas, o próprio Fred. Para Filé, a possibilidade de ajuda-lo na busca pelo posto de segundo maior goleador da história do Fluminense torna seu trabalho ainda mais prazeroso.

“Muito orgulho. É um sonho. Sendo tricolor e realizar isso. É unir o útil ao agradável”, comemorou.

Por Rodrigo Paradella / Fonte: UOL / Foto: Nelson Perez

PUBLICIDADE