Não cola mais




Acho que todos os tricolores sonham com o estádio das Laranjeiras reformado e em plenas condições de receber um jogo do Fluminense. Mesmo que seja apenas para o falido Campeonato Carioca, a emoção com certeza tomaria conta de todos que possuem o sentimento verde, branco e grená explodindo na alma e no coração.

Quem chegou a curtir os velhos tempos sabe com exatidão o peso da importância histórica, moral e sentimental do nosso templo sagrado, que também é o berço da seleção brasileira. Aos mais jovens, vale registrar: o primeiro jogo da história da seleção brasileira foi realizado no nosso estádio. No dia 21 de julho de 1914, o escrete canarinho enfrentou a equipe inglesa do Exeter City. A seleção mais vitoriosa do futebol mundial venceu os ingleses pelo placar de 2 a 0.

Na última quinta-feira, o CEO do Fluminense, Marcus Vinícius Freire, concedeu uma entrevista à Rádio Globo. Sobre a possibilidade de reformar o estádio das Laranjeiras, o executivo deu a seguinte declaração: Laranjeiras faz 100 anos ano que vem e existe uma parte que dá para ser reformada sem destombamento. Pensamos que ali, trazer de volta Laranjeiras para o Fluminense, no coração da Zona Sul, vamos rejuvenescer esse clube se conseguirmos recuperar Laranjeiras”.

Além da possibilidade de reformar Laranjeiras, Marcus Vinícius Freire ainda falou sobre o projeto da construção do tão sonhado estádio, principal promessa de campanha do presidente Pedro Abad, que teve direito a um inflamadíssimo discurso do ex-presidente Peter Siemsen numa apresentação cinematográfica, que chegou a estremecer o Bar dos Guerreiros no lançamento da candidatura do atual mandatário tricolor: “Paralelamente a isso, junto com o presidente Abad, estamos conversando para um projeto para termos o nosso estádio, buscando um terreno”

Com toda sinceridade, tudo muito lindo, mas o discurso da diretoria não cola mais. O torcedor tricolor já está mais do que saturado de promessas fantasiosas. Sobre a suposta reforma das Laranjeiras, está nítido que a gestão viu uma excelente oportunidade de apaziguar os ânimos da torcida. É claro que torço muito para que isso realmente ocorra, mas gostaria que fosse algo feito de coração, por gente que tem o sentimento da arquibancada na alma, algo que não vejo em nenhum dos nossos atuais dirigentes. Com o pior índice de rejeição da história do clube, só consigo enxergar essa iniciativa como algo eleitoreiro ou alguém aí esqueceu que no final do ano que vem terá eleição presidencial? 

Antes da construção de estádio e até reforma das Laranjeiras, a diretoria precisa repensar a sua forma de administrar o clube. Alguns conselheiros de situação reclamam que o quadro de funcionários e pessoas jurídicas está bastante inchado. Não seria a hora de promover uma redução com o objetivo de transferir a verba para investimento no time de futebol? Qual o custo mensal com os PJ`s? Outra reclamação feita por muitos conselheiros da situação é a de que o estudo operacional realizado pela consultoria da Ernst & Young não está sendo levado em conta pela gestão. Outro dia foi divulgado pelo jornal “O Globo” que o conteúdo da auditoria realizada para traçar um diagnóstico da saúde financeira deixada pelo ex-presidente Peter Siemsen está sendo mantida em sigilo até hoje. Não vi o clube ou qualquer membro da diretoria desmentindo a reportagem publicada pelo jornalista Rafael Oliveira. Não será divulgado? 

Já passou da hora da diretoria do Fluminense trabalhar calada e só abrir a boca quando tiver com algo positivo já concretizado. Aí, meus amigos, pode soltar fogos, gritar que vai ter que engoli-los e outras exaltações, fora isso, o discurso não cola mais. A sequência negativa foi enorme e acabou de vez com a credibilidade. Rolou de tudo na gestão do presidente Pedro Abad: aprovação de contas de quem deixou as finanças em situação calamitosa, prisões de funcionários, descumprimento de um importante acordo com o Ministério Público, caso Diego Souza, desastrosa saída do Gustavo Scarpa, irresponsável lista de dispensas, não comparecimento à audiência do treinador Levir Culpi e tantas outras situações. Isso tudo e mais algumas coisa com apenas um ano de gestão. Se o Fluminense fosse uma empresa… 

Diante de tantos fatos, fica o recado: não será com novas promessas e discursos que a torcida tricolor sossegará. Garanto que a reforma das Laranjeiras e a construção de um novo estádio terão o total apoio da torcida, mas foi como eu falei no parágrafo anterior: trabalhe de boca fechada e só fale quando tiver algo real. Quem vive de promessas é santo! E por falar em promessas, segue abaixo: 

Dez promessas de campanha. O balanço de como está o andamento de cada uma delas eu deixo para vocês fazerem.

A minha dica é a de mobilizar todos os setores do clube em prol do futebol. Corte cabeças, reduza salários de PJ`s, bata na porta de quem possa realmente ajudar no reerguimento imediato do Fluminense e aposte tudo no futebol para melhorar a performance esportiva e, principalmente, resgatar o maior patrimônio do clube: o torcedor tricolor.

Por hoje é só, galera! Bom Carnaval!

Forte abraço e Saudações Tricolores!

Vinicius Toledo



Siga-nos no Twitter e curta nossa página no Facebook

INSCREVA-SE no nosso canal do YouTube e acompanhe os nossos programas!

SEJA PARCEIRO DO EXPLOSÃO TRICOLOR! – Entre em contato através do e-mail: explosao.tricolor@gmail.com

PUBLICIDADE