Se rebaixaram ao nível da diretoria




Foto: Vinicius Toledo / Explosão Tricolor



Se rebaixaram ao nível da diretoria

Todo trabalhador tem que receber o seu salário. E pagar em dia é OBRIGAÇÃO do patrão. No caso do Fluminense, já são cinco meses de direito de imagem e dois de CLT atrasados. Lembrando que a Flusócio deu discurso no início do ano de que o maior reforço para a temporada seria o salário em dia. Ou seja, testemunhamos mais um FAKE NEWS desses engomadinhos mimados que seguem sem limites na Álvaro Chaves.

Até antes da bola rolar na Arena Fonte Nova, boa parte da torcida estava fechada com o time. Na minha visão, atitude correta do torcedor pelo fato de não identificar sinais de sacanagem dos jogadores.

Aí veio o jogo contra o Bahia… e desde os primeiros minutos, ficou muito nítido que boa parte dos jogadores estavam andando em campo. Se não fosse o Rodolfo, os baianos já teriam enfiado, no mínimo, uns 2 a 0 na metade da etapa inicial.

Escapamos da derrota no primeiro tempo, mas após o intervalo, o show de sacanagem continuou sem dó, nem piedade. Um time sem salário, mas também sem alma e compromisso algum com a Instituição. Jogadores visivelmente correndo para não chegar, seguidos recuos de bola esquisitos, marcação frouxa, criatividade zero…

Uma coisa é perder lutando, outra é perder com uma postura descompromissada. Como torcedor, me senti humilhado por uns caras que não respeitaram a grandeza e a história do Fluminense.

Se entrou em campo com a camisa tricolor, tem que comer grama e lutar até o fim, caso contrário, peça para sair, entre na Justiça… mas o que não pode é andar em campo e se recusar a jogar.

Infelizmente, os jogadores se rebaixaram ao nível da gestão do presidente Pedro Abad, ou seja, compromisso zero com o Fluminense.

Vinicius Toledo 



PUBLICIDADE