Cadê a gordura?




Foto: Lucas Merçon / Fluminense F.C.



Faltando dois dias para a estreia do Fluminense no Campeonato Brasileiro, o presidente Mário Bittencourt concedeu uma longa entrevista coletiva. Na ocasião, o mandatário tricolor respondeu diversas perguntas. Uma delas foi sobre contratações para reforçar o time, que já tinha vendido o Gilberto e liberado o Henrique. Inclusive, pouco mais de um mês depois, perdeu o Evanilson.

Um trecho de uma resposta do presidente chamou atenção de todos os tricolores. Confira abaixo, em especial, o trecho que está em negrito:

“Nós temos um teto de folha. Ontem aprovamos o orçamento, que diz que vamos gastar X milhões. Nós, hoje, estamos bem abaixo do que nos programamos para gastar. Isso significa que podemos fazer mais duas ou três contratações para o Brasileiro. Estamos abaixo porque alguns jogadores saíram, o Henrique, o Gilberto… Vai abrindo fluxo. E deixamos no orçamento uma projeção, um lastro, caso estejamos mal no Brasileirão, para fazer um investimento de emergência, para, por exemplo, não brigar contra o rebaixamento. Porque se eu cair, eu perco o maior faturamento do clube. Trabalhamos com austeridade, mas com uma gordura” – Mário Bittencourt em entrevista concedida no dia 7 de agosto de 2020.

Pois é, o próprio presidente Mário Bittencourt declarou que havia uma gordura para realizar investimentos de emergência, em especial, para uma eventual luta contra o rebaixamento. Passados pouco mais de três meses, o Fluminense está na quinta colocação, ou seja, dentro da zona de classificação para a Pré-Libertadores. Poderia até estar numa situação melhor, caso tivesse feito a sua parte diante do Grêmio.

Considerando os valores das premiações distribuídas no Campeonato Brasileiro e a cota pela participação na fase de grupos da Taça Libertadores, uma vaga no G-4 pode render mais de R$ 40 milhões. Sendo assim, fica a pergunta: a gordura citada pelo próprio presidente Mário Bittencourt existe apenas para a luta contra o rebaixamento? Seria apenas essa a ambição do Fluminense?

Todo mundo sabe das dificuldades financeiras do clube. Sendo assim, não dá para exigir loucuras. Porém, se o próprio presidente revelou a existência de uma verba emergencial, não há como não questionar, pois o Fluminense está lutando pelas primeiras colocações. Pode-se até discutir que a realidade tricolor não é a de estar no G-6, porém, até o presente momento, o time entregou resultado positivo. Diante dos fatos, não seria a hora de utilizar essa gordura com uma ou duas contratações pontuais para tentar garantir mais de R$ 40 milhões no final de fevereiro do ano que vem?

Forte abraço e ST

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE