Simone sobre atual geração de Xerém: “Muito potencial, mas precisa se confirmar”




Coordenador de Xerém por anos, ninguém melhor do que Fernando Simone para falar sobre a atual geração de Xerém no time profissional do Flu. Há cinco anos acompanhando jogadores como Kenedy, Marlon e Gerson, o dirigente falou sobre a expectativa com a base não só para o Carioca, mas para o Brasileirão. Confira!

GERSON, ROBERT, KENEDY, MARLON E MARCOS FELIPE: MELHOR GERAÇÃO DOS ÚLTIMOS ANOS?

“Se formos ver em números de convocações para Seleção, talvez já seja. Acompanho esses jogadores há cinco anos já. Em 2011, tínhamos cinco atletas na seleção sub-15, e agora tivemos quatro na sub-20. Temos noção de que temos uma geração com muito potencial, mas também sabemos que convocação para seleção pode não significar muita coisa. Jogador estourar na base também não quer dizer muita coisa. Jogador passa a ser realidade aqui (aponta para o gramado das Laranjeiras). Aqui que vai mostrar o que pode. Temos não só esses que foram para Seleção, e acreditamos realmente que temos uma geração de muito potencial, mas que precisa se confirmar.”

JOGADORES OFENSIVOS: COINCIDÊNCIA OU NÃO?

“Não é coincidência, trabalhamos para isso. Nossa ideia é formar meias, atacantes… Durante muito tempo formamos zagueiros, volantes e, talvez, laterais. Agora queremos jogadores que decidam jogos. São atletas normalmente mais caros para vender e também para buscarmos no mercado. É uma coisa pensada.”

GERSON E PROPOSTA CONSIDERADA IRRISÓRIA

“Irrisório pelo que vemos no mercado, pelo que avaliamos do jogador. Alguns jogadores saem por 15, 16 milhões de euros, e jogadores que entendemos que não têm o potencial do Gerson. Então, achamos que ele vale mais. Claro que é subjetivo, não existe uma bolsa de valores para isso. Hoje, para o Gerson sair do Fluminense, teria que ser um valor para não se arrepender lá na frente. Achamos que ele vai valer muito lá na frente. O céu é o limite, não sei quanto ele vai valer daqui a dois anos. Sei que hoje ele não vale só 10 milhões de euros. Será que o Santos sabia quanto iria vender o Neymar? Não sabia. Será que o Inter sabia quanto o Pato ia valer quando foi para o Milan? Será que o São Paulo sabia que o Lucas seria vendido por mais de R$ 100 milhões? Sabemos que o mercado oscila. Agora está pagando menos. Mas o mais importante é que não queremos negociar o Gerson nem nenhuma das joias agora, o que deixa o jogador ainda mais caro. Não temos interesse. Quero que fiquem, que virem ídolos do Fluminense. Aí, depois disso tudo acontecer, pode ser que apareça uma proposta com um valor que vá nos agradar. Vai acontecer? Não sei. Futebol é difícil fazer esse tipo de previsão. O trabalho feito nestes anos foi de ter uma tranquilidade financeira para que não se precise vender.”

BRASILEIRÃO: BASE DÁ CONTA OU SERÁ NECESSÁRIO CONTRATAR?

“Três jogos não podemos muito tomar como parâmetro. Mas estamos sempre observando e, até agora, estamos satisfeitos com o que temos. Temos uma espinha dorsal montada e preparamos o time em cima deles. Mas futebol é dinâmico e temos que estar atentos ao mercado e ao nosso grupo.”

Por Explosão Tricolor / Fonte: Globoesporte.com / Foto: Bruno Haddad (FFC)

Siga-nos no Twitter e curta nossa página no Facebook

PUBLICIDADE