Fé na vaga!




Caio Henrique (Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC)

Utilize o cupom de desconto do Explosão Tricolor no ato da compra → explosaotricolor



De tanto acompanhar o seu clube de coração, você acaba sentindo a temperatura exata da sua torcida para uma batalha. A venda antecipada de ingressos para o duelo contra o Antofagasta já sinalizava que o Maracanã não receberia um grande público.

Além da torcida já ter deixado bem claro que se divorciou do Fluminense por “n” motivos, a Conmebol também resolveu fechar o caixão da arquibancada. Não pode levar bandeira, pendurar faixa, soltar fumaça, montar mosaico, etc… Um dos pontos fortes da torcida tricolor sempre foi essa mobilização para realização de festa em jogos de competições continentais. Queiram ou não, isso tudo faz muita falta.

Já no esquenta do lado de fora, vi a tradicional esquina do Bar dos Esportes lotada, mas sem cantos, fogos e sinalizadores. Confesso que fiquei preocupado. A galera parecia que estava dormindo em pé. Na arquibancada, vi a torcida até tentando empurrar, mas estava faltando algo para incendiar.

No campo, os chilenos vieram com a velha proposta de jogo adotada há décadas, que é a de se defender até a morte e tentar achar um gol. Não dá nem para dizer que o Fluminense não tentou. Faltou inspiração? Pode até ter faltado, mas não faltou vontade de vencer. É claro que o time carece de um centroavante de verdade, mas até dava para ter saído do Maracanã com uma simples vitória. O goleiro chileno foi o destaque do jogo e ainda contou com a ajuda da trave.

Empate ruim, mas não significa que seja o fim do mundo. Atuando em casa, o Antofagasta terá que sair para o jogo. Ou seja, cederá espaços ao Fluminense. Apesar de ter que decidir lá no Chile, levo muita fé na vaga. Mas verdade seja dita: a noite tricolor foi sem sal em todos os sentidos.

Rapidinhas

É de confiança do patrão?

O que o Dodi fez no Fluminense até hoje para ser uma espécie de décimo segundo jogador?

Pedindo passagem

Espero que o Fernando Diniz encontre uma vaga para o Caio Henrique. Vou até incendiar um pouco a discussão: sou mais o Caio Henrique do que o Bruno Silva.

Mistério…

Pablo Dyego segue sendo o grande mistério do Fluminense. Nunca entra…



PUBLICIDADE