Panos rápidos sobre os últimos acontecimentos do Fluminense




Foto: Vinicius Toledo / Explosão Tricolor

Utilize o cupom de desconto do Explosão Tricolor no ato da compra → explosaotricolor



Rei morto, Rei posto!

Buenas, tricolada! Esta é a minha primeira coluna oficial aqui no Explosão Tricolor. Resolvi fazer um apanhado dos últimos acontecimentos no Fluminense, e finalizar a minha resenha de hoje com a estreia de PH Ganso no Fluzão, contra o Bangu, na última sexta-feira!

Nos veremos, a partir deste contato inicial, semanalmente no site até quando Papai do Céu e o Vinícius Toledo permitirem. Então, solicito que interajam, escrevam, façam as suas críticas (boas ou ruins) às minhas opiniões e conceitos, e privilegiem o nosso portal sempre! Lembrem-se: todos desta casa somos tricolores de coração, roxos, acima de tudo! Prosseguindo, é com esse tipo de feedback que a gente vai sobreviver nesse mundo repleto de bonanças e controvérsias, acertos e equívocos, elogios e apoucamentos, já que somos plurais e ainda usufruímos de num estado democrático pleno – graças aos céus!

Portanto, rapeize tricolor, vamos em frente!

Panos Rápidos:

Ainda sobre a final da Taça GB e o Setor Sul do Maraca

Jamais pensei que diria isto, mas o Presidente Abad foi cirúrgico. Ele tinha que ir até as últimas consequências, deveria ir até o fim – e foi! Cometeu alguns erros no decorrer do processo. Mas a meu ver fez bem em bater de frente contra os desmandos de Consórcio, FERJ e Vasco! Não fomos nós que descumprimos as Leis e as decisões judiciais, então…

Judas Iscariotes

Vocês já repararam que o Fluminense é o Judas esportivo da sociedade tupiniquim? O Patinho Feio que não vira cisne? No imbróglio da finalíssima, os desavisados em geral, os mal intencionados de sempre e os preguiçosos contumazes de nossa imprensa preferiram sentar a pua no FFC, em vez de apurar os fatos na origem… eles deveriam agir como agem todos os jornalistas que se prezam mundo afora. Ou seja, deveriam fazer jornalismo de verdade, formando opiniões retas e baseadas num fato gerador fidedigno.

Mas, não, o nosso pessoal de mídia travestiu-se de âncora. Eles beatificam ou demonizam fulanos e beltranos em tons emocionados, de acordo com as suas premissas íntimas – ou as de seus empregadores. E danem-se os aviões, porque não são pilotos!

É o momento de os nossos diretores chutarem o balde, deixarem de lado os seus estigmas de bananas, de caras de paçocas esfareladas, correrem pra todos os veículos de comunicação possíveis – e imagináveis – e atropelar aqueles que tentarem se interpor no nosso caminho – neste caso específico do Setor Sul do Maraca, como previamente já fizeram, e em outros, que porventura maculem a nossa aura! Somos o inesgotável gigante Fluminense Football Club e necessitamos de defesas institucionais mais contundentes!

Antecipação das eleições

A saída de Pedro Abad e da Flusócio já representa um alento pra galera tricolor. Mas o novo mandatário do Fluminense, não importa quem seja, deve mudar os conceitos administrativos desde os princípios fundamentais, desde a base da pirâmide. Todos desta renovada cúpula têm que pensar profissionalmente assim que pisarem no nosso Salão Nobre, e enxergarem o clube como empresa. Hora de uma reengenharia ampla, geral e irrestrita na Álvaro Chaves, 41!

Vaidades

Que o novo Presidente e a sua natural oposição esqueçam as fogueiras de vaidades que se perpetuam dentro dos muros das Laranjeiras, e parem de alimentá-las com metanol. O Flu é enorme, eterno e centenário, portanto, merece cuidados, carinhos e união. O momento é de incansável labuta!

Pedro Antônio

Lamento a desistência do PA ao pleito. Ele seria o meu candidato, por diversas razões NÃO políticas e prioritariamente profissionais – e de gestão. Mas isto é papo para uma outra coluna! Ah, e antes das marretadas, esta é a minha posição pessoal, a minha preferência, o meu feeling de assertividade, beleza?!

Rotina e normalidade X salários atrasados

Como disse outro dia o filósofo, escritor, educador, palestrante e professor universitário Mário Sérgio Cortella, os brasileiros absorveram as rotinas do dia a dia e encararam-nas como situações normais de vida. Por exemplo, nós pagamos IPVA’s escorchantes e dispomo-nos a pagar também os pedágios. Isto é bitributação. E lamentavelmente uma rotina compreendida como normalidade!

Não usamos joias, relógios, roupas transadas e outros artigos valiosos em locais de risco. Corremos pros nossos lares o mais cedo possível, e outros, para não darmos mole a bandidos. E nos culpamos, quando somos suas vítimas. Na realidade, o Estado é que deveria prover e disponibilizar a Segurança Pública ao contribuinte! Oras, eis aí mais uma vez as rotinas dos cidadãos acatadas como normalidade por eles próprios!

No Fluminense Football Club acontecem situações similares, com esses repetidos atrasos salariais. Rotinas tidas como ações normativas. Sim, há muito tempo os nossos meninos e funcionários vêm convivendo com o mês longo. Ou seja, um único mês contendo 90, 120 dias, sei lá. É brabo, meus camaradas! Aí os jogadores quebraram o silêncio, restabeleceram uma nova ordem e fizeram uma greve de treinamento por um dia! É isso mesmo, algo tem que acontecer.

Os atletas e nós, torcedores, especialmente, temos que pressionar a Diretoria de alguma forma. Esses cabras que canetam à revelia dos gabinetes verde, branco e grená não podem mais tratar a instituição, os apaixonados pelo Fluminense, seus ativos e demais empregados como brinquedinhos descartáveis, porra!

#Gansou

É muito simples, né? Contratam-se ídolos e craques, e o clube sempre será o maior beneficiado.

  • Recepção monstra no aeroporto Santos Dumont, digna de celebridades interplanetárias;
  • Invasão saudável da torcida nas redes sociais do nosso novo camisa 10;
  • Apelo midiático aqui no Brasil;
  • Vários dias nos trending topics do tweeter;
  • Referências na imprensa internacional, o que institucionaliza ainda mais a nossa marca mundialmente;
  • Mais de 20 mil pessoas no Maraca (eu esperava mais gente), na sua estreia no Flu e primeiro confronto da equipe na Taça Rio (contra o modesto Bangu), em plena sexta-feira de night, cerveja e salaminho, às 21h – depois de sermos derrotados na final do primeiro turno, há pouco mais de uma semana
  • Entusiasmo do torcedor
  • Aposta numa temporada honesta e condizente com as tradições das três cores

Enfim, é Lei de Mercado, caramba! Invistam de verdade e aguardem o retorno líquido e certo. Ponto!

Torcida Organizada FluSofá

Meu povo adepto do PPV e do conforto do sofazinho de casa, passou da hora de vocês retirarem as suas buzanfas da tranquilidade, da inércia e da indolência. Bora pros estádios, rapaziada, o Fluminense é maior do que Presidentes, Diretorias, mídias marrons e quaisquer inimigos que queiram nos denegrir. Não faltaram motivos recentes e recorrentes para que a gente abandonasse o time. Mas os ventos estão mudando. Vamos soltar os nossos gritos de amor e ode ao Fluzão presencialmente, daqui para adiante, valeu? Não esqueçam-se de que nesta terça-feira, 26 de fevereiro, tem a nossa estreia na Sul-Americana de 2019, contra o (quase) nome impróprio chileno, Antofagasta. Vamos promover uma invasão tricolor pacífica ao Maracanã, OK?!

Flu x Bangu, Taça Rio – em dia de Ganso, o Flu #CaioHenricou

Enfim chegou o grande momento: o avant premiere de Paulo Henrique Ganso no Fluzaço. Até que no primeiro tempo do confronto ele saiu-se a contento!

A peleja foi morna, até o segundo gol do Fluminense. Depois, o time melhorou um bocadinho, contudo, não foi uma de nossas melhores atuações. Já vimos performances mais alvissareiras neste ano!

Caio Henrique foi o melhor em campo. Roubou muitas bolas sem dar porrada, manteve boa média de passes acertados e iniciou, em muitas oportunidades, os nossos contra-ataques tirando o pirulito dos adversários lá na frente, na intermediária do inimigo. Foi premiado com um gol. Com a suas participações seguras, quando chamado, talvez já comece a colocar uma pulga atrás da orelha do Fernando Diniz. Aírton que se cuide!

PH Ganso está sem timing e desentrosado com o restante da equipe ainda. Mas a gente nota a sua diferença ao bater na bola e ao conduzi-la. A sua tranquilidade pra meter um lançamento de 50m, a visão que dispõe pra encontrar um atacante desmarcado, inteligência e habilidade são as suas características mais evidentes. Como mencionei no primeiro parágrafo deste tópico, fez um primeiro tempo acima do esperado. Mas caiu bastante no segundo. A queda é explicável, diante de sua inatividade por longo período e a referida ausência de bom entendimento com o restante dos companheiros.

Fim de expediente, por hoje

Uma salva de palmas ao excelente Diniz. Ele não troca seis por meia-dúzia ou pipi por xixi. É incansável na beira do campo, é inconformado – mesmo com os placares favoráveis, mostra-se indócil e intolerante com os erros bobos… É o técnico que tem tudo para revolucionar o futebol brasileiro logo, logo, com o seu estilo brasileiríssimo de praticar o velho e violento esporte bretão, de obrigar os comandados a tratar bem a pelota e mantê-la sob domínio o maior tempo possível. O cara está reinventando o combalido, chato, modorrento e mais do mesmo futebol verde e amarelo. Mas é importante afirmar que ele não descobriu pólvora alguma. Diniz está somente resgatando o nosso jeito de jogar bola, concebido há anos idos por treinadores e craques das antigas gerações.

Agora, rapaziada, é esperar a total recuperação física do Gilberto, as voltas do Mascarenhas e do Pedro (também do Bruno Silva e do Luciano), contar com as apresentações dos zagueiros Nino e Léo Santos, que encorparão o elenco, e com a possível chegada do lateral-direito Aderlan (eu particularmente não confio no futebol do Ígor Julião e enxergo o Ezequiel com poucos atributos para trajar o manto de um time grande). Pois é, acho que teremos um 2019 bem interessante, e tomara que eu não queime a minha língua, como aconteceu em temporadas recentes, especialmente se os contratempos com salários forem logo resolvidos e essa Diretoria – sem carisma e sem tarimba para capitanear o FFC – contratar mais um meia e mais um atacante de área, para fazer sombra ao Pedro!

E não esqueçamos: lugar de tricolor vivo ou morto na estreia do Fluminense na Sula, neste dia 26, é no Maraca!

Até a próxima e saudações eternamente tricolores!

Ricardo Timon



PUBLICIDADE