Se não tiver emoção não é o Fluminense…




Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC

Amigos Tricolores, o Fluminense gosta de emoção!
Não teria graça nenhuma ganhar de 2 ou 3 no Engenhão e tocar a bolinha no Uruguai, suportando uma pressãozinha. Talvez até fosse um caminho mais difícil, pois o Fluminense já entraria acovardado em campo…
Parece que o Fluminense gosta de grandes desafios mesmo!
E de muita emoção!
Num ano em que tudo parecia ir assim bem morninho, poucas disputas nas competições, apenas participações, algumas eu diria que até pífias, como a da Copa do Brasil, por exemplo…
No Brasileirão um time que definitivamente decidiu fazer uma campanha que nem sobe ao paraíso nem desce ao inferno, um meio de tabela enfadonho bem característico ao longo de quase toda a competição.
Então apareceu a campanha da Sul-Americana para salvar o ano, e lá vai o Fluminense com uma bela participação, chegando às semifinais após partida de Guerreiros, lutando contra tudo e contra todos na Batalha do Gran Parque Central, em Montevideu, contra um time de muita tradição sul-americana.
Tido por muitos como um azarão, o Flu chegou ao Uruguai e fez uma partida muito segura. Com o placar fechado interessando ao time da casa, coube ao Fluminense desde o início tomar as iniciativas, ainda que um pouco timidamente.
Assim, ainda no primeiro tempo criou oportunidades, e voltou para o segundo tempo com tudo, criando logo uma boa situação de gol.
No ataque seguinte, uma falta não dada a nosso favor, mas o jogador ficou caído, uma vez que atingido. Foi rapidamente atendido em campo, e então o jogo foi parado, e o zagueiro deles tocou na bola, num passe para o goleiro deles, no reinício do jogo, após o bola ao chão, em nome do fair-play.
O goleiro, então, com habilidade zero, deu um passe errado para seu companheiro na saída de bola. A bola foi para Sornoza, na entrada da grande área, e ele rapidamente tocou para Luciano, que cortou o zagueiro e o goleiro e bateu para a rede.
Reclamações do goleiro, absurdas, se sucederam. Acho que foi mais vergonha mesmo da lambança que fez. O fair-play foi respeitado, e o resto foi uma tentativa do frangueiro de explicar a bobagem que fez.
Vantagem no placar, o time continuou jogando uma partida firme, dominando as ações. Resistiu bem à tímida pressão, e teve algumas possibilidades em contra-ataques, principalmente a arrancada de Matheus Alessandro desde o meio de campo, chegando sozinho na cara do goleiro e chutando para fora… Que chance!!!
Fim de jogo, mais um desafio superado pelo time de Guerreiros, e a vaga para as semi na bagagem, e já temos jogo na semana que vem, contra o Atlético Paranaense.
O Fluminense é assim. Nos surpreende a cada ano, nos emociona, e nos tira das férias que já nos dávamos num ano sombrio, de muitas notícias ruins, muitas dívidas, time muito limitado… A mediocridade com a marca da gestão Abad.
Agora é seguir atrás daqueles 6 pontinhos no Brasileirão, lembrando que ainda enfrentaremos Vasco, Sport, Ceará e América/MG em nosso mando de campo.
A prioridade é a Sula, que pode nos dar um grande presente neste ano de 2018, um título internacional e a vaga na fase de grupos na Libertadores do ano que vem!
O Nacional foi eliminado na fase de grupos da Libertadores, este ano, ficando em terceiro no grupo, o que o credenciou para entrar na Sul-Americana. Na Liberta teve os seguintes resultados em casa: empate com o Estudiantes (0 x 0), vitória por 4 x 0 sobre o Real Garcilaso, do Peru, e vitória de 1 x 0 sobre o Santos. Não é fácil ganhar deles lá no Estádio Nacional!
Mas, como disse o Marcelo Oliveira ao chegar lá: “Não é proibido ganhar aqui!”
Em minha coluna sábado passado eu destaquei que achei os uruguaios muito alegrinhos comemorando o empate da semana passada. Empate deixa o confronto em aberto, não via motivo para comemorar. E lembrei que o futebol não costuma perdoar essas festinhas antecipadas.
Após o jogo no Engenhão semana passada o Vinicius Toledo escreveu uma coluna intitulada “Sem essa de deixar de acreditar”. Foi um convite aos leitores explosivos ao otimismo. Abriu a coluna com: “Primeiramente, isso aqui é Fluminense. Portanto, nunca duvide dele. Não será nada fácil, mas a história mostra que nunca foi. A equipe é limitada, o treinador às vezes dá uns moles, mas é com eles que temos que lutar até o fim….”
Exatamente, Vinicius!  Parabéns! Não só pelas palavras como pela atitude, tomando um avião e participando desse momento histórico do Fluminense!
E fazendo uma excelente cobertura jornalística, com várias lives que traduziram o clima do jogo.
EMBAIXADINHAS:
– Esse time Sub-17, geração de ouro das Laranjeiras, já fez mais uma vítima. Na primeira partida das quartas de finais, em São Paulo, derrotou o Corinthians por 4 x 2, com gols de Wallace, João Pedro (2) e Gabriel Teixeira. O jogo da volta será semana que vem, no Rio, com local e hora ainda indefinidos.
– Antes disso o Sub-17 faz o primeiro jogo da final do Estadual, sábado que vem nas Laranjeiras, 15 horas. Fluminense x Vasco.  Às 9 da manhã, também nas Laranjeiras, tem Flu x Fla, primeiro jogo da final do Sub-15.
– Pelo Torneio Otávio Pinto Guimarães, Sub-20, a garotada venceu ontem nas Laranjeiras o Botafogo, por 1 x 0. O time ocupa o primeiro lugar no grupo.
– Querem os resultados da base no fim de semana? Sigam meu Twitter: @paulonense
– Que partida dos Guerreiros ontem no Uruguai!!!
VAMOS LUTAR… POR MAIS ESSA TAÇA!!! VAMOS, FLUMINENSE, COM GARRA E COM RAÇA!!!
PORQUE O IMPORTANTE É O SEGUINTE: SÓ DÁ NENSE!!!
Por PAULONENSE / Explosão Tricolor

PUBLICIDADE