Deu para o gasto, mas…




Luciano (Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC - Divulgação)



Tudo bem, sei que muitos torcedores ainda estão invocados com a eliminação do Campeonato Carioca. Confesso que também estou, mas como a vida tem que seguir, não dá para ficar com a cabeça encostada no muro das lamentações por muito tempo.

Primeiramente, o Fluminense cumpriu com a sua obrigação, que era a de avançar à quarta fase da Copa do Brasil. No entanto, a vitória sobre o Luverdense foi conquistada sem uma atuação brilhante.

Seria até injusto não considerar que ficou quase que impraticável jogar bola no gramado do Maracanã durante boa parte da primeira etapa. Caiu muita água! Nem o sistema de drenagem do estádio suportou.

Apesar do temporal ter prejudicado, algumas situações merecem ser criticadas. O que foi o Yony González tentando carregar a bola no gramado encharcado? Gosto muito do futebol do colombiano, mas não é possível que ele não saiba que não dá para fazer isso. Será que foi a primeira vez que ele encarou um gramado nestas condições? Outra situação que incomodou foi a insistência da equipe em querer tocar a bola nestas condições. É proibido tentar o chuveirinho e finalizar de longa distância?

Menos mal que logo no início da etapa final, o Everaldo cruzou para o Yony González desviar de cabeça e abrir o marcador. O colombiano não é homem de área, mas sempre se vira pelo alto quando é acionado.

Com o gramado em melhores condições, o Fluminense conseguiu encaixar melhor o seu jogo, mas faltou mais inspiração e vibração para incomodar o Luverdense. É bem verdade que o nosso sistema defensivo foi pouco incomodado, no entanto, mais uma vez a atuação da equipe deu certo sono. Ainda bem que no meio dessa sonolência, o Allan tirou da cartola um passe magistral para o Luciano assegurar a classificação.

Atuação sem grande brilho, mas que deu para o gasto. No entanto, o Fernando Diniz necessita fazer com que o time atue com mais intensidade e objetividade. O grau de dificuldade da temporada aumentará a partir da próxima fase da Copa do Brasil e, principalmente, do início do Campeonato Brasileiro. Explorar o jogo aéreo também é uma necessidade urgente.

Apesar dos ajustes necessários, sigo apoiando o trabalho do Fernando Diniz.

Rapidinhas

Reforços

O Fluminense necessita de goleiro, zagueiro, lateral-esquerdo e meia. No gol, Walter, que está de saída do Corinthians, seria uma boa. Para o meio, não é possível que não dê para bater na porta do Palmeiras para tentar trazer o Hyoran ou o Raphael Veiga por empréstimo até o final do ano.

Pense nisso, Diniz!

Caio Henrique tem que ser o segundo homem de meio de campo. É ali que ele pode fazer o Fluminense melhorar consideravelmente sua transição de jogo. Chega de matá-lo na lateral-esquerda!

Já deu…

Quando é que o Bruno Silva vai sentar no banco? Já deu!

Boa surpresa até aqui

Desde que entrou na equipe, Nino tem se apresentado bem. É um pouco lento, mas sua boa colocação permite que realize boas antecipações. Vamos ver na sequência, mas o garoto começou bem.

Tá devendo

Na coletiva, Diniz revelou que o Ganso atuou no sacrifício por conta de um desconforto muscular. Darei um desconto, mas a verdade é que ele está devendo. Como ele vem de um longo período sem atuar com regularidade, fica a esperança de engrenar em breve. Levo fé nele!

Forte abraço e Saudações Tricolores!

Vinicius Toledo



PUBLICIDADE